quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A Árvore da Felicidade

Acredito que muitos já tenham cruzado com o texto abaixo (cuja autoria desconheço) em algum momento, mas em vez de postar um cartãozinho bonitinho de Natal, preferi "plantar" novamente a semente dessa "árvore da felicidade".


Saia de casa para dar
um passeio. Sorria para as
pessoas. Reveja o álbum de
família. Conte as estrelas. Telefone aos
amigos. Diga “gosto muito de você”. Converse
com Deus. Volte a ser criança. Apague totalmente a palavra
“rancor” de seu coração. Diga muitas vezes “sim”. Dê uma boa
risada. Leia um livro. Cumpra uma promessa. Cante uma canção. Lembre-se do aniversário de seus amigos. Ajude alguém doente. Mude a sua aparência. Divirta-se. Esteja disponível para escutar. Deixe seu pensamento viajar. Retribua um favor. Termine aquele projeto. Quebre a rotina. Tome um banho de espuma. Escreva uma lista de coisas das quais você gosta. Faça uma gentileza. Escute os sons da Natureza. Agradeça a Deus pela vida. Aceite um elogio. Perdoe e principalmente perdoe-se. Deixe que alguém cuide de você. Demonstre que está feliz. Faça algo que sempre desejou mas ainda
não conseguiu. Toque a ponta do pé. Observe uma flor. Evite dizer “não posso”. Cante sob o chuveiro. Saboreie cada momento de sua vida. Reformule alguma tradição familiar. Faça um piquenique junto à Natureza. Não se preocupe. Tenha coragem de realizar pequenas coisas. Seja humilde Diante do poder da conquista. Ajude um vizinho. Afague uma criança e ouça
um idoso. Abrace uma árvore. Permita-se brilhar. Dê um tapinha nas
próprias costas. Vibre pelo seu time. Pinte um quadro.
Cumprimente alguém que você não conhece. Presen-
teie-se. Faça mudanças. Delegue
tarefas. Receba pessoas de
forma afetuosa.
Viva pelo prazer
de viver. Con-
serve esta árvore
com você du-
rante o ano 2011.
Procure realizar pelo menos dez
de suas tarefas por dia. Você perceberá
o quanto melhorará sua vida durante o ano.
Feliz Natal e um 2011 cheio de bons frutos!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Últimos dias para se inscrever nos cursos de férias a 10 reais

Inscreva-se até dia 23/12 nos cursos de férias da UnG, pagando apenas 10 reais por cursos de 8 horas. Entre as mais de 400 opções, confira os dois cursos que ministrarei:

- Inglês com Filmes e Vídeos (29/1- sábado, das 9h às 18h)
- Inglês com Jogos e Músicas (31/1 e 1/2, 2a e 3a, das 9h às 13h)

Acesse http://www.ung.br/cursosdeferias, selecione o campus do Shopping Light e encontre esses cursos no menu Educação.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Article - The bad side of Santa Claus


Sent by my student Daniel

Santa Claus: a public health pariah?

BMJ 2009; 339:b5261 doi: 10.1136/bmj.b5261 (Published 16 December 2009)
Nathan J. Grills, public health fellow
Picture 1 - Unhealthy Santa Claus/ Picture 2 - Healthy Santa Claus

Santa Claus is a well known and loved character, but Nathan Grills and Brendan Halyday question whether he is a healthy role model Santa Claus long ago displaced the Virgin Mary and baby as the most unmistakable Christmas iconography. A recent study among hospital inpatients concluded that awareness of Santa was near universal.1 Given Santa’s fame, he has considerable potential to influence individual and societal behaviour—and not necessarily for
good. Santa is a late adopter of evidence based behaviour change and continues to sport a rotund sedentary image. But this is not the only example where Santa’s behaviour and public image are at odds with contemporary accepted public health messages.

Advertising to children
Eric Schlosser and Morgan Spurlock have both described how McDonald’s used Ronald McDonald to target their products at children by creating an association between McDonald’s food and happy times. Spurlock showed how Ronald McDonald was more highly recognised than the American president or the Pope. Interestingly, Schlosser documents that among American
schoolchildren Santa Claus was the only fictional character more highly recognised than Ronald McDonald. If Ronald McDonald can be so effective at selling burgers to children, we might expect Santa to be equally effective at selling other goods. After all, it was Santa’s advertising potential that reincarnated simple Saint Nicholas into the glory of a universally recognised icon. Santa’s contemporary image was cemented by the Coca-Cola advertisements that began in the 1930s.4 By the mid-1950s Santa had become the leading sales consultant for numerous other companies and products. Today, he is one of the biggest sellers at Christmas and appears in adverts on television, the internet, billboards, and shop fronts. Public health needs to be aware of what giant multinational capitalists realised long ago: that Santa sells, and sometimes he sells harmful products. Several countries, like the UK, limit what can be advertised to children. Since Santa is a childhood icon should we prevent him from selling products such as alcohol and unhealthy
foods?
Furthermore, Santa has a growing impact on international public health. Like Coca-Cola, Santa has become a major export item to the developing world. Countries such as India are increasing
celebrating the Christmas festival. The potential for Santa’s growing acclaim to be misused may even be greater in countries where there is less regulation of advertising.

Obesity
Epidemiologically there is a correlation between countries that venerate Santa Claus and those that have high levels of childhood obesity. Although given the various confounders it is premature to conclude causality, there is a temporal pathway whereby Santa promotes a message that obesity is synonymous with cheerfulness and joviality. Rear Admiral Galson, acting US surgeon general in 2007, commented, “It is really important that the people who kids
look up to as role models are in good shape, eating well and getting exercise. It is absolutely critical.”7 He went on to explain that Santa should slim down.
To create a supportive environment for Santa’s dieting we should cease the tradition of leaving Santa cookies, mince pies, and milk, brandy, or sherry. This is bad not only for Santa’s waistline but for parental obesity. When Santa is full, Dad is a willing helper. Maybe we should encourage Santa (and his helpers) to share the carrots and celery sticks commonly left for Rudolf. Santa might also be encouraged to adopt a more active method to deliver toys— swapping his reindeer for a bike or simply walking or jogging.

Endorsing smoking
Santa was a former lead salesman for cigarettes; however, thankfully, Santa has been banned from overtly advertising cigarettes in many countries. Referring to a letter in which Santa
claims he quit, John Banzhaf, an antismoking advocate, said: “Christmas is about children, and it is wonderful that Santa Claus is setting such a powerful example in protecting them from tobacco smoke pollution. Perhaps the most important and lasting gift any smoker can give a child is to give up smoking, or at least to stop smoking around the child.” Although Santa is banned from smoking in public, the image of the jolly, pipe smoking, bringer of good tidings remains firmly engrained in many people’s imagination. Furthermore, images of Santa enjoying a cigar are still available on Christmas cards and drawings. One blogger recounts how a 4 year old child spotted one such picture and said, “Look, Mommy, Santa Claus is smoking.” You can just imagine a cheeky 12 year old arguing, “Oh Mum, how bad can smoking be? Santa smokes, and he must be at least 99 and hasn’t died of lung cancer yet.”

Reckless role model
Injuries are the leading cause of death in childhood.11 Santa’s public health image in relation to injury prevention has been questioned. The tradition of leaving Santa a cup of brandy led one mother to worry “that my kids are going to think I am encouraging drink driving.” With a few billion houses to visit, Santa would quickly be over the limit. Reassuringly however, another blogger responded to the concerned mother, arguing that “technically it is not Santa
driving as Rudolph and the Reindeers are trained to pull Santa.” Other dangerous activities that Santa could be accused of promoting include speeding, disregard for road rules, and extreme
sports such as roof surfing and chimney jumping. Despite the risks of high speed air travel Santa is never depicted wearing a seatbelt or a helmet.

Infectious disease vector
A quick perusal through the Victorian infectious diseases surveillance records shows no notifications of infectious disease outbreaks associated with kissing Santa. Although there were no cases of infectious mononucleosis (“kissing disease”) associated with Santa, there have been numerous foodborne viral and salmonella outbreaks associated with Christmas parties. Santa was not named as a suspected point source. Surveillance programmes do not routinely collect data on Santa exposure but, temporally at least, Santa is potentially a point source for infectious diseases outbreaks. The grey literature documents clear basic hygiene issues arising from interactions with Santa. One survey found that “Santa is sneezed or coughed on up to 10 times a
day.”13 The potential for Santa in his asymptomatic phase to propagate an infectious disease is clear. Unsuspecting little Johnny gets to sit on Santa’s lap, but as well as his present he gets H1N1 influenza. Santa continues on his merry way and gives the present to a few more 100 kids before coming down with influenza himself. This then becomes a contact tracer’s nightmare.
Additionally, in Australia there is no health check required for most Santas. I have played Santa for two school concerts and one staff function. I was not required to have a health check. It basically relies on the impersonator’s judgment. Indeed, in my first appearance I was filling in for my father who had a viral respiratory illness. He had the insight, or at least a good excuse, to delegate the Santa responsibility and so avoided infecting children. There were no tests for meticillin resistant Staphylococcus aureus, no screening for current viral illnesses, and no immunisation checks. I was kissed and hugged by snotty nosed kids at each performance and was never offered alcohol swabs to wipe my rosy cheeks between clients. The reality is that Santa impersonators are in short supply in December, and organisers of such events are so desperate for Santa impersonators that they skimp on public health safeguards.
In America, some Santas are subject to criminal background checks and pre-employment drug screens.3 However, there is no standardised requirement for Santa to have a medical check-up or even prove his immunisation status. Regulations to mitigate this public health risk should be considered. Clearly, basic Santa education and Santa screening are warranted.
Even more concerning is how Santa’s travels might contravene the international health regulations in the context of an outbreak of new infectious diseases such as avian influenza.14 In the case of a public health emergency, WHO may institute measures to prevent the
international spread of disease. However, Santa flouts the requirements for surveillance at “designated airports, ports and certain ground crossings,” and the international regulations do not mention how to control this transnational unconventional public health threat.

Conclusion
Santa studies is a developing field in public health, and currently there is a disappointing lack of rigorous research on the effect of Santa on public health. More targeted research is required before authorities might take action to regulate Santa’s activities. This research should particularly focus on the ability of Santa to encourage unhealthy behaviour; the use of Santa in advertising to kids; and the infectious disease risk of Santa impersonators.
We need to be aware that Santa has an ability to influence people, and especially children, towards unhealthy behaviour. Given Santa’s universal appeal, and reasoning from a population health perspective, Santa needs to affect health by only 0.1% to damage millions of lives.

Nada de contrafilé - O prato é "against fillet"

Enviado por Robert Hall

Nada de contrafilé - O prato é "against fillet"

Por Pedro Dantas, www.estadao.com.br, Atualizado: 12/12/2010 0:09

Já de olho nos turistas da Copa 2014 e a Olimpíada de 2016, botequins e restaurantes da zona sul carioca resolveram adotar cardápios bilíngues português/inglês. Como alguns apelaram a tradutores eletrônicos da internet, os cardápios ficaram pra lá de divertidos. No bar Inhangá, em Copacabana, por exemplo, o contrafilé virou 'against fillet', algo como 'contrário ao filé'. E o tradicional filé à Oswaldo Aranha virou 'steak to Oswald Spider'.
'Não faz nenhum sentido, mas já estou acostumado. Já vim quatro vezes ao Rio e aprendi palavras em português decifrando cardápios', conta o bem-humorado dinamarquês Karl Wood, de 44 anos, no Inhangá.
Wood se divertiu com as sugestões de 'trim to the french', algo como 'elegante para o francês', que, por algum motivo, foi a tradução escolhida pelo bar para 'guarnição à francesa'. Ele tentava decifrar porque o arroz à grega virou o impagável 'greek rice and there' - literalmente 'arroz grego e lá'. 'Não lembro quem fez a tradução, mas depois do cardápio em inglês ficou mais fácil atender os turistas. Eles aprovaram a novidade', garantiu o gerente do bar Rogério Fernandes, de 26 anos.
O mesmo acontece no Bar Pierrot, também em Copacabana. Lá, bife à cavalo é apresentado como 'beff (e não beef) steak to the horse', algo como 'bife para o cavalo'. Carne de sol virou, literalmente, 'sun meat'.
As grandes redes de restaurantes e as casas mais sofisticadas preferem contratar tradutores profissionais, mas tampouco escapam dos escorregões. 'Já vi erros graves até em hotéis e restaurantes de luxo em todo o Brasil. Uma dica é sempre evitar as traduções literais para comidas típicas, como escondidinho e a própria carne de sol. Nunca dá certo', diz a professora Katie Anderson, de 23 anos, que ensina inglês há 4 no Rio.
O professor Brian Begnoche, de 26, também conta já ter visto várias traduções semelhantes aqui, mas lembra que isso acontece no mundo todo. 'Pode ser engraçado, mas é admirável que essas pessoas estejam tentando ganhar dinheiro honestamente e tornar a vida do turista mais fácil', diz o americano, que aprende português e leciona inglês no Rio há mais de dois anos.

ALGUMAS 'PÉROLAS'
Churrasco: 'barbecue joint'
Aves: 'birds'
Carne seca à mineira: 'meat to drought mineira'
Medalhão à moda da casa: 'medallion to fashion house'
Estrogonofe de frango: 'chicken stroganoff'

domingo, 12 de dezembro de 2010

Blog TPM - Toques para Mulheres

Enviado por Ciça Lopes

Após criar o blog e o livro Cem Toques Cravados, o escritor Edson Rossatto lança agora o blog TPM - Toques Para Mulheres, uma provocação bem-humorada ao universo femininino.
Confira!

sábado, 11 de dezembro de 2010

Cursos de inglês nas férias por apenas 10 reais!

Estão abertas inscrições para mais de 400 cursos de férias da UnG-Universidade de Guarulhos, inclusive para o campus do Shopping Light, no centro de São Paulo.
Convido a todos, alunos e professores, a se inscreverem nos dois cursos que ministrarei no Shopping Light:

- Inglês com Filmes e Vídeos (29/1- sábado, das 9h às 18h)
- Inglês com Jogos e Músicas (31/1 e 1/2, 2a e 3a, das 9h às 13h)

Mesmo quem já fez o curso de filmes, pode se inscrever novamente, pois haverá novas atividades.

Para alunos, esta é uma chance de "desenferrujar" o inglês e praticar o idioma de uma forma lúdica; para professores, é uma oportunidade de trocar experiências e conhecer atividades que podem ser usadas nas suas aulas.

Inscreva-se por apenas 10 reais até 23/12! Procure no site da UnG pela unidade Shopping Light, menu Educação.
Entre os outros cursos disponíveis, há também um ministrado por meu pai: Seguros - Todos Precisamos Deles - no campus da UnG em Guarulhos (centro), menu Administração.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Answer a quick poll

Dear teachers,
A friend of mine, Vivian Magalhães, is writing an article and she needs teachers to complete a very quick online poll. It takes less than a minute to answer and you don't need to write your name. If you want to help, access https://spreadsheets.google.com/viewform?formkey=dHRicW1kNGliMGRWdlV0a0owNmRSb0E6MQ.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

500 posts!

Cheguei aos 500 posts, em pouco menos de 2 anos de existência do blog!

No último mês, foram mais de 1500 visitas!

Agradeço a todos que visitam o blog com frequência e convido novamente os que não me visitam com tanta frequência assim... Continuem mandando sugestões e comentários!

Abraços a todos meus leitores fiéis e eventuais,
Vanessa

Tradução para dublagem e legendagem


Link enviado por Ciça Lopes

Você é daqueles que adora falar mal da dublagem ou da legendagem quando assiste a um filme estrangeiro, principalmente quando sabe o que os atores falaram no original? Então, conheça um pouquinho das dificuldades de se fazer esses trabalhos antes de sair criticando os "pobres tradutores" (eu também falava mal das legendas até começar a fazer a pós em Tradução...)

Texto e entrevista retirados do blog http://jps-ltf-eterna-estudante.blogspot.com/2009/01/traduo-para-dublagem-e-legendagem.html

Tradução para dublagem e legendagem

A tradução para dublagem e legendagem, embora seja reconhecida como das melhores por diversos países, ainda sofre restrições em nosso país. Muitas críticas existem em relação ao assunto, porém, a maioria das pessoas ignora como é realizado o trabalho do tradutor. Portanto, esse trabalho vem esclarecer alguns pontos para dirimir algumas dúvidas que ainda circula o profissional.

Dublagem
Deve-se respeitar a métrica, o movimento labial e a interpretação dos atores, o texto é dito de um modo que precisa ser muito natural. O dublador cede sua voz à interpretação, em idioma local de certo personagem, a fim de substituir a voz dos atores ou dubladores originais de filmes, animações, seriados, etc.

Particularidades na tradução para dublagem
O tradutor faz a adaptação da obra original ao idioma local, para ser utilizada pelo dublador.

Legendagem
Existem dois limites básicos – o número de caracteres que cabem na tela e o tempo de leitura necessário, proporcional ao número de caracteres. É calculado o número de caracteres da legenda de acordo com o tempo disponível. A boa legenda constitui uma forma de leitura que não desvie a atenção do espectador do filme e a ordem seja alterar o que se diz para tornar a mensagem mais simples; aliar precisão da informação, adequação do texto ao tempo de leitura, boa apresentação estética da legenda e estilo coerente com a fala original.
Legenda não deve ser produzida seguindo só o material-imagem, pois acaba realizando um texto que pouco combina com a cena em que ele se insere.

Particularidades na tradução para legenda
O material base normalmente é falado, caracterizado por elipses, anacolutos, hesitações, traços motivos e gestuais, sempre presente, configurando impressões paralelas ao que é dito.
Ritmo de fala e pausas retóricas tem que ser levadas em consideração.
Material ficcional, como filmes, seriados, não se pode perder de vista que cada personagem tem um jeito peculiar de falar, com competência lingüística diferente e, universo lexical apropriado à sua caracterização. O bom tradutor jamais esquecerá esses traços, para evitar a “pasteurização” de todas as falas, marcar e evitar em seu texto essa diversidade. Nesse sentido a tradução para legenda se aproxima da tradução literária.
O tradutor para legendas não pode perder de vista o caráter educativo que o seu texto apresenta, deve encontrar um equilíbrio entre a manutenção do coloquialismo e a competência discursiva do texto, assim garantindo o melhor produto final aos espectadores.
Além das limitações técnicas, que não podem ser burladas, sob pena capital para a qualidade final do produto “filme”, esbarra também na amplitude dos assuntos tratados. Dramalhões românticos, modernos e clássicos, filmes de máfia, de gangues negras, de gangues latinas, de esportes pouco praticados no Brasil, de brigas judiciais, dramas médicos, religião, filmes institucionais, técnicos... O tradutor de filmes encontra pela frente um pouco de muitas coisas, dos mais variados temas e áreas de conhecimento.
Há tipos de programação, principalmente os que envolvem transmissão de eventos, que não têm o roteiro, o que aumenta a possibilidade de haver erros de tradução. Dicção, sotaque, captação do som original, problemas de gravação, tudo isso dificulta o levantamento do texto e, por conseqüência, o trabalho do tradutor.
Traduzir para legendagem e dublagem é uma atividade que exige estudo e que se aprende com a prática, com muita transpiração e inspiração.
O fato de o Brasil ter uma das melhores dublagens do mundo tem também a contribuição de quem traduz.
As técnicas de tradução para legendagem e dublagem são muito específicas e muito diferentes entre si.

Trechos da entrevista sobre dublagem
Elaine Pagano, tradutora de Pokémon!

- Olá Elaine. Primeiramente obrigado pela entrevista. Pra começar, por que não se apresenta?
Olá, pessoal. Eu sou Elaine Pagano, tradutora para dublagem. Trabalho nessa área há 15 anos e gosto muito do que faço. Eu sempre gostei de assistir filmes e achava muito interessante como as pessoas conseguiam traduzir aquele filme ou desenho que eu estava assistindo, achava aquilo maravilhoso e resolvi estudar inglês, porque também adorava a língua, e em 1993, já com meu diploma embaixo do braço comecei a ir atrás dos estúdios de dublagem. (...) Durante esses 15 anos já traduzi muitas coisas como por exemplo: 24 horas, Pokémon, Bananas de Pijamas, Super Doll Lica-chan, Shin-Chan, Lost World (O Mundo Perdido), as novelas “Um amor de babá” (Record) e “Olhos d´agua” (Band), além dos filmes Dinotopia, Mentes Perigosas, Um drinque no Inferno I e II, A escolha de Sofia, Transamérica, etc... Nossa, foram centenas que eu não vou me lembrar de todos eles agora (risos).

- Vamos direto ao ponto. Como Pokémon caiu nas suas mãos?
Bom, logo que regressei dos EUA, minha 1ª casa foi na Parisi Vídeo, e na época eles dublavam “Pokémon” e “Yu-Gi-Oh!”, isso foi em 2002 [nota do editor: ano da dublagem do quinto ano de Pokémon]. Eles me passavam alguns episódios para traduzir, mas já existiam outros tradutores na casa que já faziam essas traduções, mas no Parisi eles não tinham o menor cuidado em deixar uma série com o mesmo tradutor, porque, sendo assim, o tradutor conhece os personagens desde o começo, sabe qual é a linguagem que determinado personagem usa, enfim, segue um padrão e o trabalho fica limpo, e também não tinham o profissionalismo de passar pelo menos um glossário para o tradutor sobre os golpes (no caso de Pokémon) ou sobre as cartas (no caso do Yu-Gi-Oh!), o tradutor tinha que se virar. Resultado: o tradutor que não sabia, traduzia a sua maneira, mais ao pé da letra, e acabava não dando muito sentido porque os diretores de dublagem também não se importavam muito com isso. Hoje em dia é diferente. A Centauro, que é a responsável pela dublagem do “Pokemon”, é uma empresa idônea, muito profissional e exige em 1º lugar qualidade e profissionalismo e oferece ao tradutor condições de trabalho para isso. Estou trabalhando com a Centauro há 3 anos e desde que cheguei lá e souberam que eu já havia feito alguns episódios no Parisi, imediatamente me passaram as séries por problemas com o antigo tradutor.

- Quais foram as dificuldades ao traduzir o oitavo ano de Pokémon, tendo em vista que a série tinha um tradutor fixo desde o terceiro ano?
Pois é, como eu disse, para um trabalho de série ficar perfeito é preciso acima de tudo entrosamento e profissionalismo entre as pessoas envolvidas, o que não aconteceu no 8º ano (que foi o meu 1º ano como tradutora Pokémon), uma vez que o antigo tradutor não me passou o glossário dos golpes e eu tive que fazer a tradução mais ao pé da letra e do que eu lembrava da época do Parisi(2002), foi muito difícil. A Centauro não teve culpa já que não tinha como fazer o ex-tradutor entregar isso.

- Qual sua posição sobre a ajuda que começou a receber a partir do nono ano? O que acha das séries que recebem ajuda de fãs na tradução e dublagem?
No 9º ano comecei a receber a ajuda do pessoal da “PokePlus”, que foi indispensável para a tradução ficar boa. Nada melhor do que quem conhece a fundo, curte e acompanha “Pokémon” para passar para o tradutor os nomes certos dos golpes. É indispensável a participação dos fãs! Gente, tradução é uma coisa muito pessoal, eu posso traduzir de uma forma e quem está assistindo ou lendo pode traduzir de outra e isso não quer dizer que esteja errado, é só a forma de colocar as palavras. Então, devemos esse título de 'Melhor Tradução e Adaptação' a vocês que me ajudaram a traduzir da melhor forma [nota do editor: A Elaine se refere ao primeiro lugar na votação popular de melhor tradução, que Pokémon ganhou com grande vantagem no "Oscar da Dublagem"].

- Levando em conta que recebemos muitos e-mails pedindo para usar nomes japoneses ao invés dos americanos, qual é o limite das mudanças que o tradutor pode fazer no texto?
Bom, gente, isso quem resolve é o cliente, é o distribuidor no caso, é ele quem determina o que quer, como ficarão os nomes. É ele também que escolhe as vozes que irão dublar tais personagens. Por exemplo, nomes de personagens nós, tradutores, não temos autorização para mudar.

- Acho que essa entrevista é ótima para justificar alguns erros que aconteceram na tradução. Os fãs querem saber: Por que o personagem Tracey foi considerado uma mulher? E como você lida com as críticas ao seu trabalho?
Vou contar um pouco da rotina do meu trabalho para vocês entenderam melhor esse processo. Eu recebo um script em inglês com os nomes dos personagens e suas falas e o vídeo que a Centauro me passa. Eu traduzo o texto e no final assisto ao episódio para ver se está tudo certo e se as falas que traduzi cabem na boca do personagem, já que temos que prestar atenção no “lip sinc” que é o sincronismo labial.
Especificamente no caso do Tracey: no script em momento algum especificava “he or she” [nota do editor: “ele” ou “ela” em português], eu não tinha como saber se era um personagem masculino ou feminino. Só nos últimos episódios foi que apareceu o personagem e vi que era masculino, mas desde o começo eles já haviam dublado como feminino e não dava mais para redublar, uma vez que os episódios já estavam no ar. Eu acho que as críticas são sempre construtivas, se são boas, ótimo, me sinto realizada, se não são boas, bom, vamos ver o que está errado para corrigir. O que me incomoda um pouco é o fato das pessoas não saberem qual o processo da tradução, da dublagem em geral, e começarem a falar mal sem pelo menos entenderem o porquê de tal erro ter ocorrido. Um dos maiores fatores para ocorrer algum erro é o fator tempo já que o cliente nos passa em cima da hora e quer tudo pronto para o dia seguinte. Tanto da minha parte como da parte da Centauro nós trabalhamos de maneira muito profissional e com muita responsabilidade e não queremos em hipótese alguma que haja nenhum erro.

- Você tem contato com a diretora da dublagem?
Tenho só quando há necessidade. Eu apenas faço a tradução e a diretora tem total autonomia para mudar a tradução como ela quiser, mas se ela muda alguma coisa do personagem eu sou avisada, caso contrário, eu continuo fazendo do mesmo jeito.

- Como que chega um episódio pra você e quais são os passos até o episódio voltar para a Centauro traduzido?
Eu recebo o script e o vídeo por e-mail, baixo o script, deixo baixando o vídeo que leva em média de 3 a 4 horas, (um episódio de 22 minutos) e vou traduzindo o script. Depois de traduzido, que também levo em média umas 4 horas para traduzir, eu acompanho o vídeo já com a tradução para ver o sincronismo, ver se está tudo certo, como no caso do Tracey, se ele já tivesse aparecido no desenho, eu saberia que se tratava de um menino e então eu teria corrigido, mas nesse caso específico ele só foi aparecer bem no final. Depois de revisado, eu envio a tradução por e-mail para a Centauro e daí é um outro processo até entrar no estúdio para a diretora gravar.

- Qual foi a série mais difícil de traduzir?
Eu acho que foi “24 horas”, tem muita fala, o tempo é muito curto e exige muita pesquisa porque usam termos muito técnicos.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Só para lembrar - Saldão de livros da Disal

Saldão de livros da Disal, de 1 a 4/12, das 9h às 17h
Livros a partir de 1 real.
Disal - Av. Marquês de S.Vicente, 182 - Barra Funda - São Paulo (SP)

E estão chegando os 500 posts no blog!!!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Interview with linguist K. David Harrison


Source: The Economist - http://www.economist.com/blogs/johnson/2010/11/interview
Sent by my colleague Robert Hall

Seven questions for K. David Harrison
Nov 23rd 2010 - New York

BY SOME estimates, half of the world's 7,000 languages will disappear in the next century. K. David Harrison, a linguist at Swarthmore College, has made a career documenting some of them—and advocating for keeping them alive. A film about his exploits (with a fellow linguist, Greg Anderson), "The Linguists", was nominated for an Emmy award, surely a first for that academic discipline. Most recently, Mr Harrison has written a book with National Geographic: "The Last Speakers". We asked him about what is lost when a language dies.

Johnson: What is a "language hotspot", and what are the characteristics of the typical hotspot?
Mr Harrison:
"Language hotspot" is a term I coined in 2006, inspired by the biodiversity hotspots model. Languages are unevenly distributed around the globe (both geographically and demographically), and they face uneven threats. The hotspots model helps us to visualise and track this global trend, and to prioritise resources. A language hotspot is a contiguous region which has, first of all, a very high level of language diversity. Secondly, it has high levels of language endangerment. Thirdly, it has relatively low levels of scientific documentation (recordings, dictionaries, grammars, etc.). We've identified two dozen hotspots to date, in places such as Oklahoma, Paraguay, India, Papua New Guinea and Siberia. With a scientific team from National Geographic, we are visiting the hotspots to take the pulse of some of the world's most endangered languages.

The hotspots model yields some surprises: The Oklahoma hotspot has 26 languages belonging to 9 language families. It includes Yuchi (Euchee), an isolate language which may have as few as seven speakers and is now the focus of a community-led revitalisation effort. Bolivia, a country with just under 12 million people, boasts 37 languages belonging to 18 language families. Europe, with 164 languages and 18 language families, has significantly less diversity than Bolivia.

The hotspots model allows us to visualise the complex global distribution of language diversity, to focus research on ares of greatest urgency, and also to predict where we might encounter languages not yet known to science. This was recently borne out by our documentation of Koro, a small language in India that is new to science.

Johnson: What do we lose when we lose a language?
Mr Harrison:
The human knowledge base is eroding as we lose languages, exacerbated by the fact that most of them have never been written down or recorded. In "When Languages Die" (2007) I wrote "When we lose a language, we lose centuries of human thinking about time, seasons, sea creatures, reindeer, edible flowers, mathematics, landscapes, myths, music, the unknown and the everyday." Only some cultures erect grand built monuments by which we can remember their achievements. But all cultures encode their genius in their languages, stories, and lexicons.

Each language is a unique expression of human creativity. We find millennia of careful observation of the natural world and human behaviour, knowledge of flora and fauna (often not yet known or identified by scientists), and some of the secrets of how to live sustainably in challenging environments like the Arctic or the Andean Altiplano.

We would be outraged if Notre Dame Cathedral or the Great Pyramid of Giza were demolished to make way for modern buildings. We should be similarly appalled when languages—monuments to human genius far more ancient and complex than anything we have built with our hands—erode.

Johnson: You describe many words you've found as hard to translate, but then you do translate them all into English. Is anything truly untranslatable?
Mr Harrison:
Just as there are no exact synonyms within a language ("big" does not mean precisely the same as "large"), there are no exact matches for words or expressions across languages. I can express the notion "four year old male uncastrated domesticated reindeer" in English. But our tongue lacks the economy of information packaging found in Tofa, a nearly extinct tongue I studied in Siberia. Tofa equips reindeer herders with words like "chary" with the above meaning. Furthermore, that word exists within a multidimensional matrix that defines the four salient (for the Tofa people) parameters of reindeer: age, sex, fertility, and rideability. Words are untranslateable because do not exist in a flat, alphabetised dictionary style list, but rather in a richly structured taxonomy of meaning. They are defined by their oppositions to and similarities to multiple other words—in other words, the cultural backdrop.

As I learned working among the Tuvans, nomadic yak herders of South Siberia, words can also be anchored to a specific place. In Tuvan, in order to say "go" you must first know the direction of the current in the nearby river and your own trajectory relative to it. Tuvan "go" verbs therefore index the landscape in a way that cannot survive displacement or translation. Knowledge systems such as the Tofa reindeer taxonomy and Tuvan "go" verbs get lost, flattened out, and vastly simplified when people switch to speaking another language.

Beyond word meanings, the poetics of song, epic tales, origin myths and everyday stories cannot be translated, or at least not well, without losing expressive power, nuance, and affect.

Johnson: Talking about language and local ecology, you say losing one entails losing the other. If most things are translatable, is it possible to keep the knowledge but not the language?
Mr Harrison:
It's possible, but not likely, and it's not the usual case we see everywhere from the Arctic to Amazonia. In indigenous cultures we observe the decline of languages and lifeways occurring in parallel. There's an astonishing book called "Watching Ice and Weather Our Way," co-authored by Yupik elders and scientists. In it, the Yupik elders describe, define and draw sketches of 99 distinct types of sea ice formations which their language gives specific names to.

Their climate science astounds with its precision, predictive power, and depth of observation. Modern climate scientists have much to learn from it. As the Arctic ice melts, and new technologies like snowmobiles advance, Yupik ice-watching becomes the passion of the elderly few. Their knowledge of ice, their words for it, and the hunting skills and lifeways are all receding in tandem with the Yupik language itself.

Johnson: Are their any recent discoveries by linguists among small languages you can single out as a reason for preserving and learning more about them?
Mr Harrison:
Linguists often value languages for their instrumental value to science, and while I do not endorse this, there is much to learn about human cognition and the language faculty from small(er) languages. Many discoveries await us, and each language yields new structures and unexpected complexities. But we have a pitifully sparse sample. I and many fellow linguists would estimate that we only have a detailed scientific description of something like 10% to 15% of the world's languages, and for 85% we have no real documentation at all. Thus it seems premature to begin constructing grand theories of universal grammar. If we want to understand universals, we must first know the particulars. So my own work focuses on fine-grained descriptions of how languages work, from phonemes to syntax and beyond. I delight in the tiny olfactory suffix of Tofa which may be added to any noun to mean "smells like x". And I marvel at the vast extended patterns of mnemonic hooks that allow memorisation and recitation of the Tuvan "Boktu-Kirish", an 8,000+ line oral epic.

Johnson: Many of the peoples you describe are, from our point of view, desperately poor. "Development" tends to fold them into the bigger, richer society, but kills their languages. How can the tradeoff be resolved?
Mr Harrison:
No one, no matter how poor, becomes richer by abandoning (or being coerced to abandon) one language to learn another, and in fact I suggest they become poorer from it. People of all ages, but especially children, can easily be bilingual. New research shows bilingualism strengthens the brain, by building up what psychologists call the cognitive reserve. In addition, heritage-language retention provides access to the cultural knowledge base and undergirds a strong(er) ethnic identity and cultural pride. It is a pernicious (and false) message of globalisation (often echoed in "development" or national literacy campaigns) that language choice is subtractive, ie, you must abandon your heritage language to speak only a dominant tongue. Around the globe, we see minority speech communities, from Aymara to Zapotec, Aka to Mowhawk, pushing back against this ideology. They are making a strategic decision to keep their languages, while becoming bilingual in a global tongue. We can all contribute to making the world safe for linguistic diversity. It requires a shift in attitudes. If we can learn to value the intellectual diversity that is fostered by linguistic variety, we can all help to ensure its survival. No one knows where the next brilliant idea will emerge; no culture has a monopoly on human genius.

Johnson: Small languages like Welsh and Letzeburgesh survive and even thrive in rich places like Europe. Other languages like Manx and Romansh are dead or threatened. Do rich countries hold any lessons for developing ones?
Mr Harrison:
Linguistic vitality (often against great odds) can be found in poor and rich countries, and provides some hope in an otherwise downward extinction trend. We do not know exactly what combination of intangible factors (linguistic pride, attitudes, mentoring) yields success in mother tongue transmission. I've been traveling the globe for a decade to document the struggles and successes of language activists, which I recount in my latest book. I'll close with the inspiring example of Matukar, a language spoken in a small village in Papua New Guinea. Down to about 600 speakers (out of a tribal group of 900+), Matukar is under immense pressure from the national language Tok Pisin and from English. Many of the children no longer speak it. Rudolf Raward, a local leader and language activist, is determined not to let his mother tongue slip away. Working with me under the National Geographic Enduring Voices Project, he devised a written form for what had been until 2010 a purely oral language. Rudolf and his mother Kadagoi Raward patiently recorded thousands of words in their language. Using those recordings, we built a Matukar online talking dictionary. Matukar village recently got electricity, and they expect to have internet within a year. When Matukar children visit the internet for the very first time, they will find their language is spoken there, that it is as suited for technology as any other, that it has a voice that spans the globe. What more powerful message could help to incentivise their continued use of the magnificent Matukar tongue?

Site - Língua Estrangeira

Quem ainda não conhece o site www.linguaestrangeira.com.br, da professora Vivian Magalhães, co-autora dos três livros da série Cem Aulas Sem Tédio, acesse agora mesmo. Nele você encontra curiosidades linguísticas, links para dicionários, glossários, tradutores e sites de música, atividades para serem usadas em aula, dicas de livros e até uma entrevista em Esperanto!

Feira da Troca no Livro no Parque da Luz - SP

Quem perdeu as outras edições, tem mais uma chance de renovar sua biblioteca. Acontece neste domingo a Feira da Troca do Livro, no Parque da Luz, região central de São Paulo, das 10h às 15h. Entrada franca.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Great pictures

Sent by my student Daniel

Check some amazing pictures from National Geographic.

Palestras online sobre como estudar no Reino Unido

Se você perdeu a feira Universities UK, promovido pelo British Council, pode assistir às palestras com informações sobre cursos no Reino Unido online.
Entre os temas abordados, estão: Como fazer seu application com sucesso (pós); Estudando em Londres: o centro de tudo; O mestrado de 1 ano: como explorar esse atalho; Pesquisa (doutorado): como encontrar sua universidade; Uma perspectiva econômica sobre a crise global e Visto de estudante para o UK.
Clique aqui para acessar os vídeos.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Livros para download gratuito

No site http://www.culturabrasil.pro.br/download.htm é possível baixar, gratuitamente, mais de 100 livros em Português e alguns em Inglês e Espanhol, incluindo Amor de Perdição, A Arte da Guerra, Capitães da Areia, A Metamorfose, Tales and Poems by Edgar Allan Poe, além de documentos históricos como O Código de Hamurabi, a Declaração Universal dos Direitos Humanos e o Manifesto Comunista.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Artigo - Por que não estou aprendendo francês tão rápido quanto aprendi inglês?

Como o texto das corridas fez sucesso, já faz um tempinho que pensei em escrever outro artigo no mesmo estilo, mostrando como nossas atitudes determinam o sucesso (ou fracasso) no aprendizado de um idioma.

Estou há quase 1 ano "estudando" francês, mas ainda não me sinto muito confiante para falar nem diálogos básicos e entendo uns 30% de cada exercício de listening (sem contar que nunca sei onde entram os acentos, muito menos como pronunciar o "oe" junto que não dá nem para digitar!).

Quando estava estudando inglês, em 1 ano já me sentia muito mais confiante e certamente conseguia me "virar" muito melhor no que em francês. Comecei o Basic 1 em uma escola de idiomas aos 16 anos e aos 19 estava dando aula na mesma escola e logo depois em mais duas. Como consegui aprender inglês tão rápido e por que não estou aprendendo francês na mesma velocidade?

Interesse e necessidade - Eu realmente gostava de inglês e dos professores e queria aprender, tanto para ir melhor no colégio, pois de um primeiro ano com um livro muito básico a escola "pulava" para um livro com textos voltados ao vestibular e depois um terceiro ano de inglês técnico para informática, como já pensando no mercado de trabalho e em futuras viagens. Fiz três cursos intensivos de férias e, mesmo nos semestres "normais", estava quase todos os dias na escola para participar de atividades extras ou do famoso laboratório. Com relação ao francês, adoro minha professora (Claudia, este texto é para você), mas não tenho a mesma relação com a língua como tinha com o inglês, nem a mesma necessidade de aprender (já consegui até me "virar" por uma semana na França com Je ne parle pas français). Estudo francês só por prazer, sem uma intenção clara, como gabaritar a prova do vestibular. Talvez, se eu estabelecesse um objetivo, me dedicaria mais.

Atitude e dedicação - Eu realmente estudava inglês e fazia tudo o que indico para meus alunos fazerem, como assistir a filmes sem legenda ou com legenda em inglês (numa era pré-DVD e pré-Youtube, ou seja, literalmente cobrindo as legendas da TV com tira de papel e fita crepe - Gosh, I'm getting old!). Ou ouvir música e tentar "tirar" a letra antes de olhar na Internet, ler livros e revistas em inglês, escrever emails (na verdade, comecei com pen-pals por carta mesmo) para amigos ou mesmo redações (sem a professora mandar), entre outras coisas.
E em francês? Devo assistir a uns 2 filmes por ano em francês contra uns 30 em inglês (e geralmente não entendo o final dos filmes franceses, só percebo que acabou porque começam a subir os créditos), tenho 1 CD de músicas francesas (gravado pela minha professora) contra uns 150 de inglês, não estou escrevendo nem um parágrafo básico e a aula deve começar em 5 minutos (faço aula particular em casa) e em vez de estar estudando, estou escrevendo no blog! É, realmente minha dedicação está lá embaixo... Mas pelo menos eu não cancelo aula por qualquer motivo (ou sem motivo algum)! Ops, a campainha, é minha professora. Continuo escrevendo à noite.

Horas de estudo - Ligado ao tema anterior - dedicação - estou dedicando exatamente... 1 hora por semana ao francês! Se lembrarmos de outro texto publicado aqui, que comenta que precisamos de 10 mil horas para aprender muito bem qualquer coisa, vai demorar bastante nesse ritmo. Estou fazendo tudo o que os alunos não devem fazer, como nem tocar no material durante a semana, não revisar a matéria e não ser proativa no aprendizado. Mas pelo menos reconheço minha falta de dedicação e sei que é por isso que não estou progredindo tanto quanto poderia. Quantos alunos fazem essa mesma reflexão?

Aspecto cultural - Quantas personalidades francesas consigo listar rapidamente? Umas 10, talvez, incluindo figuras de hoje e do passado, como Napoleão Bonaparte, Charles de Gaulle, Edith Piaf, Marcel Proust (e nunca li nada dele), Alain Prost, Jacques Chirac, Nicolas Sarkozy, Carla Bruni (acabo de descobrir que ela nasceu na Itália), Zidane e Audrey Tautou. Devo conhecer mais uns, mas se tiver que fazer uma lista de personalidades americanas ou inglesas, certamente lembrarei de umas 100 em poucos minutos. Claro que isso tem a ver com a própria influência americana e do idioma inglês no Brasil, mas se eu realmente quisesse conhecer mais sobre a história e a cultura francesas, bastariam alguns cliques. Novamente, faltam interesse e dedicação. Agora, se você estuda inglês, não tem muita desculpa, pois nem precisa ir atrás das informações sobre personalidades americanas ou inglesas, elas chegam até nós, basta ficar de olho no que está acontecendo no mundo.

Resumindo, se você está "estudando" um idioma, mas não está aprendendo, avalie suas atitudes antes de desistir do curso ou, ainda, de culpar seu professor.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Mostras de cinema - SP

Vai até quinta-feira agora a 5ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul, com entrada franca.
Confira a programação.
Já o Festival Venezia Cinema Italiano começa hoje e vai até 28/11, também com entrada gratuita.
Programação.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Braz-Tesol Curitiba 2011 - Agende-se desde já!

The Southern Cone TESOL conference is held every two years. In 2011 it will be in Curitiba - Brazil and teachers from Chile, Argentina, Paraguay and Uruguay, as well as from anywhere else in South America are all invited to participate.
More details in http://www.braztesolcuritiba.com

Simpósio Profissão Tradutor 2010

A edição 2010 do Simpósio Profissão Tradutor (PROFT 2010), em comemoração aos cinco anos do YahooGroup Profissão Tradutor, tem por objetivo reunir os integrantes da lista, atuais e futuros, para troca de experiências e de conhecimentos da área, além de ser uma “boa desculpa” para que todos se conheçam pessoalmente ou simplesmente aprofundem contatos profissionais.

Alguns dos palestrantes confirmados:
John Milton: As muitas faces de Shakespeare: uma análise das adaptações de Othello
Lenita R Esteves: O Direito Autoral do Tradutor
Danilo Nogueira e Kelli Semolini: Armadilhas da Tradução Financeira Inglês-Português
Sérgio Duarte Julião da Silva: A tradução das estratégias de conversação
Neyde Sati Ishioka: Um exemplo do uso de corpus customizado na versão de artigo na área médica: o corpus de não nativos
Adriana Morgan: A vida financeira do tradutor
Eric Yamagute: O uso de linguística de corpus no ensino da tradução jurídica
Alessandra Cani Gonzalez Harmel: Considerações sobre o aspecto generalista da tradução juramentada

O Simpósio acontece nos dias 18 e 19 de dezembro, das 8h30 às 17h, em São Paulo (SP)
Os valores de inscrição são:
R$57,00 - inscrição padrão
R$50,00 - inscrição com desconto para membros do YahooGroup Profissão Tradutor
R$40,00 - inscrição com desconto para acadêmicos (de graduação, mediante envio de documento que comprove que você é estudante de graduação)
R$ 7,00 - entrada no Pub Finnegan's (encerramento - consumação não incluída)
Informações em http://www.scientiavinces.com/proft2010/index.html

Palestra - Vida do Estudante no Reino Unido

Quem vai estudar no Reino Unido e perdeu a primeira palestra tem mais uma chance de tirar dúvidas e saber mais sobre a vida de estudente no país. A palestra gratuita promovida pelo Centro Brasileiro Britânico traz informações sobre acomodação, transporte, custo de vida, seguro-saúde, entre outros temas.

Vagas limitadas!
Data 24/11 - quarta-feira
Horário: das 18h às 19h
Local: Centro Brasileiro Britânico - Biblioteca e Centro de Informação - Rua Ferreira de Araújo, 741 - Pinheiros - São Paulo/SP
Palestra em português
Para fazer sua inscrição gratuita, envie um e-mail com nome completo e telefone para centro.info@britishcouncil.org.br.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Vídeos sobre ferramentas de análise de corpora

Enviado por Ciça Lopes

Tradutores ou mesmo professores de Inglês podem se beneficiar das ferramentas de análise de corpora. Saiba como utilizar um pouco mais essas ferramentas com os vídeos abaixo, preparados pelos participates do GELC (Grupo de Estudos de Linguística de Corpus).

http://corpuslg.org/gelc/gelc.php/2010/11/17/videos

Oportunidade para professores de Inglês na Zona Leste - São Paulo

Você é (ou quer ser) professor de Inglês e gosta de trabalhar com adolescentes? Então, confira esta oportunidade:

Escola na Vila Carrão, Zona Leste de São Paulo, procura professores com o perfil abaixo:
- ter entre 18 e 25 anos
- não há necessidade de experiência anterior, pois oferecemos treinamento
- saber lidar com o público adolescente
- disponibilidade para trabalhar no período da tarde durante a semana
- residir na V. Carrão ou proximidades

Envie currículo para kkcontatoka@gmail.com


Saldão de livros Disal

Agende-se para o Saldão de Livros Disal, que trará livros a partir de R$ 1,00.
De 1 a 4 de dezembro, das 9 às 17h
Av. Marquês de São Vicente, 182 - Barra Funda - São Paulo -SP
Tel.: 11 3226-3111
comercialdisal@disal.com.br

Contracts in English

Sent by my colleague Andreia Cesario

Do you need to write a contract in English and don't even know how to start? These sites may help you: http://contracts.onecle.com/telenav/att-license-2009-11-16.shtml (models of contracts) and http://smallbusiness.findlaw.com/business-forms-contracts/business-forms-contracts-overview/business-forms-contracts-overview-law.html (explanation about contracts).

sábado, 13 de novembro de 2010

Congresso Internacional de Língua Portuguesa

De 6 a 10 de dezembro, em Niterói (RJ), acontece o III Congresso Internacional da AILP (Associação Internacional de Linguística do Português, com o tema A Difusão Transnacional da Língua Portuguesa.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Feira do Livro da USP traz 15 mil títulos com 50% de desconto

Enviado por Ciça Lopes

A 12ª edição da Festa do Livro da USP será realizada nos dias 24, 25 e 26, das 9 às 21 horas, no saguão do prédio da Geografia e História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. Todos os livros vendidos durante o evento terão, obrigatoriamente, desconto mínimo de 50% em relação ao preço de capa praticado pelos editores.

Participam da Festa do Livro da USP diversos expositores, entre eles diversas editoras universitárias, que vão mostrar ao público um volume em torno de 15 mil títulos de seus catálogos, a maioria deles composta de novidades ou obras que foram publicadas recentemente.

A Festa do Livro da USP é um evento gratuito e aberto ao público geral. O endereço do prédio da Geografia e História é Av. Prof; Lineu Prestes, 338, Cidade Universitária, São Paulo.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Empreendedorismo online

O portal do Instituto Claro lança hoje uma série de conteúdos sobre os “Desafios do empreendedorismo na aprendizagem”, com debates semanais sobre diferentes temas de inovação na educação pelas novas tecnologias. Entre os assuntos abordados estão formas de estimular processos criativos e inovadores, o exercício do empreendedorismo na escola e a discussão sobre o desenvolvimento de projetos de sucesso.

Com um total de seis edições, toda semana, sempre às quartas-feiras, será publicado um novo conteúdo no portal. O primeiro,“Articulação e atitude se completam na formação do comportamento empreendedor”, debate sobre os modos de formação das capacidades humanas necessárias ao trabalho empreendedor.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Palestra sobre livros para vestibular

No dia 29 de novembro, haverá uma palestra gratuita no CIEE-SP sobre o tema: Livros Clássicos Sempre Atuais - dicas e comentários para o vestibular, com Anna Maria Martins, da Academia Paulista de Letras.

Data e hora: 29/11, 8h30 (recepção e café da manhã), 9h - início da palestra
Local: Espaço Sociocultural - Teatro CIEE - Rua Tabapuã, 445 - São Paulo/SP
Informações: (11) 3040-6541
Inscrições gratuitas e obrigatórias - www.ciee.org.
Após a palestra, será sorteado um kit com livros do vestibular que serão comentados no evento.

E-books da PUC gratuitos

Enviado por Ciça Lopes

Para acessar os e-books gratuitos da PUC do Rio Grande do Sul, acesse http://www3.pucrs.br/portal/page/portal/edipucrs/Capa/PubEletrEbook e baixe gratuitamente as obras.

Adventure in English

A agência Terrazul Turismo está oferecendo o pacote de viagem Adventure in English para os dias 13 a 15 de novembro. O pacote para o Spa Ch'an Tao, com refeições, hospedagem e atividades em inglês incluídas sai por R$ 760,00.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Article from New York Times - Dilma Roussef

In a First, Brazil Elects a Woman as President

Source: New York Times, Alexei Barrionuevo


SÃO PAULO, Brazil — Dilma Rousseff was elected the country’s first female president on Sunday, as Brazilians voted strongly in favor of continuing the economic and social policies of the popular president, Luiz Inácio Lula da Silva.

Ms. Rousseff, who served as Mr. da Silva’s chief of staff and energy minister, joins a growing wave of democratically elected female leaders in the region and the world in the past five years, including Michelle Bachelet in Chile, Cristina Fernández de Kirchner in Argentina and Angela Merkel in Germany.

Ms. Rousseff, 62, defeated José Serra, the former governor of São Paulo, with 56 percent of the vote to 44 percent, official numbers showed.

In choosing Ms. Rousseff, who has no elected political experience, voters sent a message that they preferred to give the governing Workers Party more time to broaden the successful economic policies of Mr. da Silva, whose government deepened economic stability and lifted millions of Brazilians out of poverty and into the lower middle classes.

In her victory speech, Ms. Rousseff pledged to focus on eradicating poverty, which she described as an “abyss that still keeps us from being a developed nation.” She has indicated that she favors giving the state greater control over the economy, especially the oil industry, potentially steering the country further to the left.

After serving two four-year terms, Mr. da Silva was barred from seeking re-election, and he hand-picked Ms. Rousseff to be his successor, campaigning tirelessly for her.

“He treated this campaign like a re-election campaign,” a sociologist, Demétrio Magnoli, said on television on Sunday night.

Though she could not match Mr. da Silva’s charisma, Ms. Rousseff won Sunday by dominating the north and northeastern parts of the country, as well as the key swing states Rio de Janeiro and Minas Gerais.

Voters who supported her in São Paulo, where Mr. Serra won, said Sunday that they were willing to look past her lack of experience. “If it were only about experience I would never vote for her,” said Denilson Quintino, 43, an electrician. “But she has a good team behind her. Today the country is much better off because of the Lula government. He did more for me than any other president.”

Mr. Serra, who also ran for president in 2002 and has a long elected political resume, had pledged to focus on improving education and the public health care system. He also indicated he would give private companies a greater role in developing a newly discovered oil region that could transform the country into a global oil power.

Ms. Rousseff promised to build millions of low-income homes, expand a community-policing program pioneered in Rio de Janeiro, and substantially improve the quality of education and public health care. In the final debate between the two candidates on Friday, she called education — an area in which Brazil has lagged many other nations — “the most important issue facing Brazil.”

Despite the strong support of Mr. da Silva, the election went to a second round when Marina Silva, the Green Party candidate and former environmental minister under Mr. da Silva, pulled in 19 percent of the vote. Many voters liked Ms. Silva’s policies on sustainable development and her anti-abortion stance.

Ms. Rousseff struggled with conservative religious voters amid accusations from the opposition that she had flip-flopped on her stance on abortion. And she lost support when her successor as chief of staff was accused of peddling influence with companies seeking contracts and loans with the government and state development bank.

But Mr. Serra struggled to articulate a consistent campaign message and, with Mr. da Silva in her camp, Ms. Rousseff, a twice-divorced grandmother who opposed and was imprisoned by the military dictatorship in her early 20s as part of a militant group, proved too tough to beat.

Myrna Domit contributed reporting.

sábado, 30 de outubro de 2010

Sorteio de curso online grátis

O site http://www.icursosonline.com, em parceria com o site http://www.cursos24horas.com.br, está sorteando três cursos online, no valor de até 40 reais, com certificado. Entre as opções, há cursos de administração contábil e financeira, administração do tempo, aprenda a falar em público, Corel Draw, departamento pessoal, entre outros.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Entrevista Mario Sergio Cortella

Ótima dica de leitura enviada por minha colega Adriana Alves:
Entrevista sobre educação com Mario Sergio Cortella, publicada no site Educar para Crescer:

1 - Quais são os principais problemas da Educação no Brasil?
Mario Segio Cortella:
Temos quatro problemas principais. 1) Apesar da democratização do acesso à escola - 97% das crianças de 7 a 14 anos estão no Ensino Fundamental - ainda não houve a democratização da permanência. O nível de evasão escolar, ou, como diria Paulo Freire, de expulsão escolar, é muito alto. Mesmo a democratização do acesso ainda não chegou à Educação Infantil nem ao Ensino Médio. A Educação básica é um direito subjetivo constitucional, tem de ser oferecida em seu conjunto. É alta também a distorção idade-série, ou seja, muitos alunos não estão na série correspondente à sua idade. 2) A comunidade escolar (pais, alunos, professores e funcionários) precisa se apropriar do trabalho pedagógico como protagonista, não apenas como expectadora. Isso ainda é raro. 3) A qualidade do ensino tem de melhorar e ascender a uma sólida base científica, de formação de cidadania e de solidariedade social. Isso exige um contrato de condições de trabalho diferente para os educadores e um sistema nacional de formação docente, que, aliás, está sendo organizado pelo Ministério da Educação. 4) Cerca de 10% dos adultos brasileiros adultos são analfabetos. É uma vergonha para um país que é a 10ª economia do planeta.

2 - Investimos pouco em Educação?
Mario Segio Cortella:
Sim. As questões que listei como problemáticas na Educação não dependem apenas do orçamento, mas dependem dele também. Se não chegarmos a 2020 investindo pelo menos 7% do PIB não conseguiremos vencer essas barreiras. Nós estamos em um patamar de mais ou menos 4,2% do PIB, o que equivale ao investimento de países de primeiro mundo, mas eles estão em velocidade de cruzeiro, precisam de recursos para a manutenção. Nós precisamos de arranque.

3 - A progressão continuada é um bom caminho para resolver o problema da distorção idade-série e promover a democratização da permanência?
Mario Sergio Cortella:
Sim, mas não como está hoje. Defendo a progressão em forma de ciclos, não aquela que pode ser identificada como aprovação automática. A Lei de Diretrizes e Bases estabeleceu dois ciclos no Ensino Fundamental - de 1ª a 4ª e de 5ª a 8ª. Agora, com o EF de 9 anos, torna-se mais necessário trabalhar com o mínimo de 3 ciclos, de 3 anos cada. A finalidade da progressão continuada não é de facilitar a aprovação, mas sim de dificultar a reprovação burra, que acontece por falha da estrutura da escola. No Brasil, a seriação produz mais desalento do que efetividade. Quando havia estrutura seriada em todas as redes, não se percebia que as crianças chegavam à 8ª série sem estar alfabetizados direito, porque elas simplesmente não chegavam até lá. O sistema praticamente expelia o aluno. Com a progressão continuada, a criança com defasagem pelo menos é vista.

Leia a entrevista inteira.

Teatro a R$ 5,00

Começou nesta semana a Campanha Vá ao Teatro, que oferece ingressos para mais de 100 peças a R$ 5,00 em São Paulo (SP).
A compra pode ser realizada pelas agências do Poupatempo ou van móvel que fica em diferentes pontos da cidade. Cada pessoa pode comprar até 4 vouchers.
Confira a programação das peças em cartaz que participam da campanha.

Site about vocabulary building

A very nice site recommended by my colleague Robert Hall:
http://www.uefap.com/vocab/vocfram.htm
Here you can study word prefixes, sufixes, roots of many Latin and Greek words, and you can also practice online exercises. Check it out!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Artigos online na revista da PUC

Está disponível para download a Revista lael em (dis-)curso, da PUC-SP, com artigos sobre ensino-aprendizagem, tradução e outros temas. Confira!

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Interview - Linguee: Online Translation Tool


With the slogan "the web as a dictionary", the website http://www.linguee.com/ offers millions of bilingual texts that can be searched for words or expressions, free of charge. Its co-founder, Gereon Frahling, explains how it works and how you can benefit from it, no matter if you are a translator, a teacher or a student.

Tell us about your background and experience.
Gereon - I studied Mathematics in Cologne, Germany and received my Ph.D. in Computer Science in 2006 from the University Paderborn, Germany. From 2006-2007 I worked for Google Research in New York. In my Ph.D. thesis and at Google I did research in the area of Information Retrieval. In 2008 I founded Linguee together with my cofounder Leonard Fink. I am currently CEO of Linguee, based in Cologne, Germany.

What is Linguee? What's the difference between Linguee and other free online dictionaries?
Gereon -
Using Linguee you can search millions of texts translated by humans. In contrast to traditional online dictionaries Linguee contains about 1000 times as many translated texts, most of them complete translated sentences. This enables you to search for words in their context, like " " and " ". The results show you the contexts in which certain translations are used and how to use the translated words in whole sentences.

How did you have the idea to create Linguee?
Gereon -
During the year in New York I had to write many texts in English. I was very disappointed by the existing online dictionaries. In most cases I was not able to find the right translation for words in the context I wanted to express.
On the other hand I knew that there are millions of professionally translated texts freely awailable on the internet - I just could not find them efficiently.
The Linguee idea also fitted my research experience pretty well - you need deep knowledge in information retrieval and machine learning to develop a high quality search engine.
These things convinced my to start a new company based on this idea.

How does it work? I have the impression it aims to be like a parallel corpus, does it?
Gereon -
Yes, Linguee can be seen as a huge searchable parallel corpus. But the Linguee corpus is many times larger than any other parallel corpus you can buy. And it is freely accessible using our Website.

Who checks/updates the dictionaries and how are the texts selected?
Gereon -
Our crawler, a computer program, looks at a huge number of internet pages automatically. It extracts about 1Trillion sentence pairs. Unfortunately most of them do not fulfil our quality requirements - they are poorly translated or translated by computers.
We developed a machine learning algorithm to extract the 0,001% of sentence pairs which are translated by humans in a high quality. This system uses user feedback to improve the automatic filtering - it learns autonomously.
Additionally we have a dictionary of about 500.000 word translations - selected and verified by our editorial board. You recognize these verified entries by a small green hook in front of the entry.

Does the company intend to keep the dictionary free forever? How is it profitable?
Gereon -
The Linguee web service will be free forever. We earn money from advertisers.
In the future we will add additional services for our most active users. Integration into your operating system, ad-freeness, better integration into computer aided translation tools (CAT-Tools). These services will be available as a paid abonnement. But the online service will be free as it is.

So far, the dictionary works in English, Portuguese, Spanish, French and German. What are the plans for expansion? What other languages and services are you planning to offer?
Gereon -
In the future we will definitely add new language pairs like Japanese, Chinese, Arabic, Russian, and more.

domingo, 17 de outubro de 2010

O que as corridas de rua têm a ver com aprender Inglês?


De vez em quando, bem menos do que deveria na verdade, participo de corridas de rua. Geralmente são de 5km, mas hoje participei de uma de 9km (dos quais eu devo ter corrido uns 5 ou 6km apenas e caminhado o restante, mas isso não vem ao caso).
O ponto é que enquanto corria (ou andava) comecei a pensar em escrever este texto. Um artigo sobre corridas num blog de ensino de inglês? Não exatamente, mas um texto que mostra o que as corridas podem ter em comum com aprender inglês. Não achou nada em comum? Então continue lendo...

1 - Determinação: A corrida começou às 8 da manhã, o que significa que acordei às 6h30, num domingo (e também levanto praticamente nesse horário todos os demais dias da semana, inclusive sábado). Poderia muito bem ter olhado o relógio, virado para o outro lado e voltado a dormir, deixando a corrida para a "próxima vez". Mas me levantei e fui correr. Quantas vezes você teve aula de sábado de manhã e não acordou no horário? Ou saiu cansado do trabalho e foi direto para casa em vez de ir para a escola? É a mesma coisa, se você não estiver determinado a aprender (ou a correr), qualquer coisa vira uma desculpa para faltar, não fazer lição, não estudar...

2 - Persistência: Eu fui até o local, já é um primeiro passo, mas poderia ter parado nos 3, 4 ou 5 km, ter pegado algum atalho, ter dado meia volta ... com 2,5 km eu já "estava morrendo" e comecei a andar. Mas depois voltei a correr. E a andar, e a correr, e a andar e a correr, sem, no entanto, desistir de completar os 9km. Ainda não achou nada em comum com seu curso de inglês? Quantas vezes você já pensou em parar ou até efetivamente parou de estudar? Você até pode parar temporariamente, mas lembre-se de que precisa continuar correndo ou no mínimo andando para alcançar seu objetivo final.

3 - Disciplina: Sou disciplinada para muitas coisas na vida, para correr, porém, ainda estou bem longe do ideal. Não costumo treinar, não tenho muita paciência para correr na esteira da academia e participo dessas corridas "quando dá vontade" e não com regularidade. O resultado, como falei acima, é que já estava muito cansada após correr apenas 2,5km (em outras provas cheguei a correr pelo menos 3 ou 4km sem parar). Além disso, terminei a prova em 1h11min, tempo razoável, mas que pode ser melhorado e muito. Um amigo que foi comigo (e treina mais do que eu) terminou em 1h02min, e atletas profissionais fazem uma prova dessas em cerca de 30 minutos. Ou seja, se eu efetivamente treinasse com regularidade, melhoraria minha performance. Assim como você, se realmente participar de todas as aulas e fizer todas as atividades sugeridas pelo seu professor poderá melhorar e muito seu nível de inglês.

4 - Metas: O objetivo final era atingir os 9km, mas eles pareciam tão longe ao começar a correr... ainda faltam 8km, ainda faltam 7km, ainda falta metade... Pensando assim tudo parece mais difícil. O ideal é inverter: já foram 2km, já foram 3km, estou quase na metade... Uma das melhores coisas durante o percurso é quando avistamos, mesmo que ao longe, as placas de quilometragem que mostram a distância percorrida de 1 em 1km. Sempre que vejo uma delas, o ânimo se renova e corro um pouco mais, pelo menos para chegar até a placa, mesmo que depois eu volte a andar. Mas a sensação é de uma etapa concluída, pelo menos uma meta atingida, mesmo que o objetivo final ainda esteja longe. Faça o mesmo ao estudar: seu objetivo final é falar inglês fluentemente, mas antes disso você pode aprender a se apresentar em inglês, a falar de seus gostos, a contar uma história simples no passado, a escrever um email a um amigo. Divida seu objetivo em metas menores e lute para atingir cada uma delas.

5 - Realização pessoal: Nada me obrigava a ir correr hoje, domingo, às 8h. Pensei em não ir e, no fundo, até torci um pouco para que meu amigo desistisse e não viesse me pegar. Mas ao terminar a prova a sensação sempre compensa. Às 9h30 da manhã já havia corrido (e andado, admito) 9km e ainda tinha o domingo inteiro pela frente. Em outros domingos, provavelmente estaria levantando nesse horário ou mais tarde e sem muita disposição de praticar atividade física. Ninguém pode obrigá-lo a estudar, nem seus pais, nem seu chefe, nem seu professor. Mas descubra o prazer de aprender, mesmo que às vezes seja cansativo, chato ou até doloroso (não quero nem pensar em como minha perna estará doendo amanhã).

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Happy Teacher's Day!


Dear teachers,
I wish you a wonderful Teacher's Day! I've received this card through email and I really liked the message in it. Simple and deep. No matter the problems we may face in our classes, we need to bear in mind that, if we're doing our best, something valuable will always be shared with our students.
Some classes will be great, others will make us feel bad; some students will love us, others would rather have classes with somebody else; some days we will really believe in our jobs, other days we will think about doing something else...
but, in the end, teaching is still a fantastic and rewarding experience.
Enjoy your day!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Feira de Troca do Livro 2010 - nova edição

Mais uma chance para você trocar os livros e gibis que não vai mais ler por outros exemplares.
A Feira da Troca do Livro acontece novamente domingo agora, 17/10, das 10h às 15h, no Parque Mário Covas, na Avenida Paulista, 1853. É só aparecer e trocar seus livros!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Artigos sobre linguística de corpus

No site do Projeto Comet - Corpus Multilíngue Para Ensino e Tradução, é possível encontrar diversos artigos sobre linguística de corpus. Entre os temas abordados, estão: Tradução Culinária e Ensino, Fraseologia no Futebol, Colocações Adverbiais em Inglês para Negócios, Linguística de Corpus e Análise Literária, entre outros.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Telejornal online em Libras

Conheça o site http://www.vezdavoz.com.br/, da empreendedora social Cláudia Cotes. No site, há vários vídeos com telejornais para portadores de deficiência visual e auditiva, apresentados com legendas e libras. Cláudia está fazendo a parte dela para mudar o mundo. E você?

Disal Special Day SP

Dia 22 de outubro acontece a terceira edição do evento DISAL Special Day São Paulo, trazendo quatro palestras:

9h às 10h30 - Gestão Pedagógica
11h às 12h30 - Transformando o "vou pensar" em "vou fazer a matrícula"
14h às 15h30 - Tecnhology as a catalyst for learning
16h às 17h30 - From Singing to Speaking

Disal - Av. Marquês de S. Vicente, 182 - Barra Funda - São Paulo/SP
(11) 3226-3100
www.disal.com.br/eventos

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Cambdrige Day 2010

The event Cambridge Day this year will bring the speaker Jeff Stranks to talk about Listening, Lexis and Learning. In São Paulo, the event will take place on Oct 15, Teacher's Day, from 8am to 12h30pm, but many other cities around Brazil will hold the Cambridge Day as well. Check all the cities, dates and venues.

Como é que se diz "puxar o tapete" em inglês?

Do site Inglês na Ponta da Língua, de Denilso de Lima:

Dia atrás, minha amiga Vanessa Prata, do blog English for All, pediu para que eu abordasse aqui a expressão "puxar o tapete". Aos que não conhecem a expressão vou dar uma explicadinha rápida e depois a gente parte para o inglês, ok? Então vamos lá!

"Puxa o tapete" refere-se ao fato de tirarmos o apoio ou a ajuda que damos a alguém em determinada situação. Geralmente, essa retirada de ajuda acontece sem que a outra pessoa esteja preparada. Além disso, "puxar o tapete" refere-se também, e principalmente, ao fato de fazermos algo que prejudique a outra pessoa. Por exemplo, digamos que no seu trabalho tem sempre alguém querendo te atrapalhar, impedir o seu crescimento, na esperança de ficar com seu cargo. Nessa situação podemos dizer que a outra pessoa está tentando puxar o seu tapete e atrapalhar você em todos os sentidos.

Em inglês a expressão para isso é "pull the rug from under someone" ou "pull the rug from under someone's feet". Caso você a considere estranha [ou difícil], aprenda-a em partes. Ou seja, "pull the rug" é uma parte, "from under" é outra", e, por fim "somebody". Depois coloque tudo junto e divirta-se! Veja alguns exemplos:

She's trying to pull the rug from under my feet. [Ela está tentando puxar o meu tapete.]

Don't let them pull the rug from under your feet. [Não deixe que eles puxem o seu tapete.]
Caso você tenha de dar explicações sobre a ação que está sendo feita diga assim:

The school pulled the rug from under the local team by making them pay to practice in the school gym. [A escola puxou o tapete da equipe local ao fazer que eles pagassem para treinar na quadra da escola.]

Josh pulled the rug from under his children's feet by denying them their allowance. [Josh puxou o tapete das crianças ao se recusar a dar eles a mesada.]

She's trying to pull the rug from under my feet by saying bad things about me. [Ela está tentando puxar o meu tapete ao falar coisas feias a meu respeito.]

Percebeu o uso de 'by' seguido pelo ~ing no verbo? Releia os exemplos acima e veja isso. Procure por mais exemplos no Google e veja como essa expressão é usada em outros contextos. Anote a expressão e mais exemplos em seu Lexical Notebook e use-a caso tenha oportunidades para isso. I hope you've enjoyed today's tip. Take care and have a wonderful day!

Agora você pode comprar no Submarino e por apenas R$39,90 a 'Gramática de Uso da Língua Inglesa - a gramática do inglês na ponta da língua'. Além do preço baixo você pode também parcelar em 2 vezes e ainda ganhar o frete. Ficou interessado? CLIQUE AQUI. Nela você aprenderá muitas dicas de gramática da forma mais fácil e simples possível! Sem complicações!

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Opportunity for teachers

Sent by Elcio Souza

Teddy Bear, an English school for toddlers, kids and teens, is opening a branch in São Paulo.

In order to initiate its staff selection, it will offer a great lecture, Teaching With The Brain In Mind, rendered by Dr. Airton Pozo de Mattos.

If you want to reserve a seat, you must email your resume to luciana@teddybear.com.br, saying you would like to attend the lecture. Be quick-places are limited.

Teaching with the brain in mind
October 16th, 2010 - 01.30 to 05.30 pm
Royal Jardins Boutique Hotel - Sala Ibirapuera
Alameda Jaú, 729 - Jardins - São Paulo - SP (11 - 3245-7731)

Further information: http://www.teddybear.com.br/

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Talking about elections...

How do you say:

(source: englishexperts.com.br)

primeiro and segundo turno?

A candidate needs more than 50 percent of the votes to win the election in the first round.(Businessweek)

No candidate looks like a sure-fire winner and the best prediction is the election will go into a second round. (Telegraph.co.uk)

eleições municipais? We´re having local elections this year.

candidatar-se? He’s likely to run for president.

ir às urnas? We’ll go to the polls at the end of the year.

pesquisa de opinião? He’s going up in the polls.

cassar? He may be removed from office.

partido de direita/esquerda? He supports the right-wing/left-wing party.

tomar posse? She’s going to take office next month.

mandato?
His term of office expires in 2008.

carreata e passeata? Texas officer with Obama's motorcade injured in accident. /
As I traveled through the country, buses and taxis were frequently delayed by election parades held by the different political parties.

votar em branco? But there is another possibility, which is to cast a blank vote. (www.guardian.co.uk)

votar nulo? Voters may choose to spoil their vote. (http://www.direct.gov.uk/)

Ao invés de justificar o voto, que no Brasil seria preencher um documento e não votar em ninguém, no exterior existe a opção de votar à distância: In the state of Maine, any voter may cast an absentee ballot and is not required to give a reason.

domingo, 3 de outubro de 2010

Livro de marketing para download gratuito

Dica para quem se interessa por marketing: é possível baixar gratuitamente em PDF o livro Mobilize, sobre mobile marketing, de Léo Xavier, Cavallini e Alon Sochaczewski. www.mobilizebook.com.br.
Indicado pela Rede do Bem, do professor Marcelo Miyashita.

sábado, 2 de outubro de 2010

Show de Talentos da ONG English for All

Coincidentemente, meu blog tem o mesmo nome da English For All, uma ONG voltada à educação de jovens da periferia. O trabalho consiste em aulas de inglês como um incentivo à aprendizagem e crescimento pessoal, além de melhores oportunidades no mercado de trabalho.
A ONG realiza anualmente o Talent Show, com o objetivo de angariar fundos para a continuidade do trabalho por mais um ano. Desta vez, o evento será no Clube Paineiras do Morumbi, dia 27/10, das 20h às 21.
Para informações e ingressos escreva para Flávia Cardoso: flapcardoso@yahoo.com.br.

domingo, 26 de setembro de 2010

Site - Contos com cem toques

Escrever um conto não é fácil, um miniconto pode ser ainda mais difícil, agora escrever contos com apenas 100 toques cravados torna-se um desafio bem maior. Essa é a proposta de Edson Rossatto, que publica seus textos no site http://www.cemtoquescravados.com/.
Confira alguns exemplos:

Olhavam abraçados o pôr-do-sol alaranjado. Voltaram à realidade: revirar o lixo à procura de comida.

Madrugada. Desceu as escadas devagar. Luz acesa. Susto. Um rosto quase esquecido. Lágrimas. Abraços.

Chegou na porta. Baixou o olhar. Suspirou. Levantou a mão. Ia bater, mas a porta se abriu. Sorrisos.

Por vinte minutos, falou ao patrão tudo o que queria. O chefe disse apenas uma palavra: “despedido”.

Lançamento de livro de Gramática em Curitiba

Professores de Curitiba (PR) ou que estiverem pela cidade no dia 3 de outubro, deem uma passada no lançamento do livro Gramática de Uso da Língua Inglesa, de Denilso de Lima. O evento será na Estação Convention Center (Shopping Estação), Av. 7 de setembro, 2775, das 15h às 17h, no stand da Livrarias Curitiba, durante a Bienal do Livro do Paraná.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Oportunidade para professores de inglês

A Verus Instituto de Língua Inglesa, na Vila Mariana, São Paulo, está abrindo processo seletivo para professores de inglês para o primeiro semestre de 2011.

A escola foi recém-inaugurada, porém os idealizadores já têm mais de 20 anos de experiência na área de ensino.

O valor da hora-aula é a combinar, mas a escola oferece benefícios e plano de carreira.

Se tiver interesse, acesse www.verusingles.com.br ou mande um email com seu CV para atendimento@verusingles.com.br.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Curso Tradução Assistida por Computador

Curso Tradução Assistida por Computador

Período: 14/10 a 02/12 , às quintas, das 14h às 16h30
Local: USP - Prédio de Letras, Av. Prof. Luciano Gualberto, 403 - sala 267
Público alvo: Professores de Inglês, tradutores, linguistas e demais profissionais da área, pesquisadores e estudantes de Letras e áreas correlatas.

Programa
1. Tradução automática X CAT tools
a. Diferença entre Tradução de máquina (TM) e Tradução Assistida por computador (CAT)
b. Tipos de Ferramentas de Tradução (principais ferramentas de tradução – Wordfast, SDL Trados, MemoQ, OmegaT, Across)
c. Como aumentar a velocidade de Tradução, sem perder a qualidade do produto final
d. Vantagens e Desvantagens Trados X Wordfast
e. Como baixar o Wordfast

2. O Wordfast Classic
a. Comandos básicos
b. Glossários e Memórias
c. A Caixa de Pandora e mais comandos úteis
d. Tradução de arquivos em Word, Power Point e Excel

3. Corpus Customizado e suas vantagens para o tradutor

Investimento:
Interessados em geral: R$ 350,00
Graduandos e pós-graduandos da FFLCH: R$ 315,00
Professores Ativos da Rede Pública, maiores de 60 anos, monitores bolsistas e estagiários da FFLCH: R$ 175,00
Docentes e Funcionários da FFLCH: Gratuito

Coordenação: Profa. Dra. Tinka Reichmann, da FFLCH/USP.

Ministrante: Ana Julia Perrotti Garcia, pós-graduanda da FFLCH/USP.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Matéria - Cambridge ultrapassa Harvard como a melhor universidade do mundo


Enviado por Cris Harumi

Cambridge ultrapassa Harvard como a melhor universidade do mundo

da Veja online

É a primeira vez em sete anos que a instituição americana deixa o 1º lugar

A Universidade de Cambridge, na Inglaterra, superou em 2010 a de Harvard, nos Estados Unidos, como a melhor do mundo. A opinião é do conselho acadêmico QS, entidade que se encarrega de avaliar a qualidade dos centros de educação superior.

A Universidade de Harvard ocupava o primeiro lugar desde que a lista da QS foi criada, em 2004. Mesmo que não tenha sido a mais votada pelos 15.000 acadêmicos ouvidos pelo QS, a instituição americana foi a mais citada entre os mais de 5.000 empresários consultados pelo conselho.

Em terceiro lugar no QS World University Ranking, aparece a Universidade de Yale, também nos Estados Unidos e, em quarto lugar, está a britânica University College London. Já o Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT, sigla em inglês) aparece na quinta posição.

Esta é a sétima edição do ranking QS, que avalia a qualidade em pesquisa nas universidades, além do nível de contratação dos graduados, o compromisso no ensino e o compromisso internacional.

Nenhuma instituição brasileira aparece no ranking.

http://veja.abril.com.br/noticia/educacao/cambridge-ultrapassa-harvard-em-ranking-de-universidades

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

1ª Jornada Gaúcha de Educação

Professores do Rio Grande do Sul ou de outras regiões que estiverem livre entre os dias 22 e 24 de setembro, confiram a 1ª Jornada Gaúcha de Educação, que contará com palestras de Gabriel Chalita, Içami Tiba, Celso Antunes, entre outros. O valor do investimento é de R$ 350,00 (professores da rede pública - R$ 300,00).

Serviço:
1ª Jornada Gaúcha de Educação
de 22 a 24 de setembro, das 8h às 18h
Ginásio Tesourinha, Porto Alegre (RS)
Informações e inscrições: 51 3084-0026 / contato@jornadagaucha.com.br

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Feira Universities UK 2010

Universities UK é um evento realizado pelo British Council que será realizado no dia 16 de outubro em SP e no dia 19 no Rio. A Feira traz mais de 20 instituições do Reino Unido com as últimas novidades sobre seus programas de graduação e pós-graduação, além de palestras temáticas que ajudarão na sua decisão sobre estudar no exterior.

Serviço:

SÃO PAULO - 16 de outubro
Horário: das 13:00 às 20:00
Endereço: Centro Brasileiro Britânico - Rua Ferreira de Araújo, 741 - Pinheiros

RIO DE JANEIRO- 19 de outubro
Horário: das 14:00 às 21:00
Endereço: FGV – Fundação Getúlio Vargas - Praia do Botafogo, 190 - 12º andar - Botafogo

Inscreva-se gratuitamente.

Novo dicionário online gratuito - Linguee

Desde agosto, está disponível, gratuitamente, um novo dicionário online: Linguee. Além de um simples dicionário multilíngue, o Linguee oferece também um sistema de busca de traduções, ou seja, ele coleta textos da web e exibe um trecho do texto original e da tradução lado a lado, a partir da palavra de busca. É possível também acessar os textos inteiros, como num corpus. Por enquanto, estão disponíveis consultas em Português, Inglês, Espanhol, Alemão e Francês.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Online talks - videos

If you want to practice your listening skills and know more about different subjects, such as business, technology, arts etc, access the site http://www.ted.com/. Is has many video files, with talks by personalities in different areas, which usually last from 5 to 20 minutes and you can watch them online. The best part, it's free!
There's also a Brazilian version, http://www.tedxsaopaulo.com.br, with talks in Portuguese.