terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

World's 26 richest people own as much as poorest 50%, says Oxfam

https://www.theguardian.com/business/2019/jan/21/world-26-richest-people-own-as-much-as-poorest-50-per-cent-oxfam-report

Sad statistics, but a great topic for discussing with students, in addition to working with vocabulary.

World's 26 richest people own as much as poorest 50%, says Oxfam

Charity calls for 1% wealth tax, saying it would raise enough to educate every child not in school

Luxury yachts in Monaco

The growing concentration of the world’s wealth has been highlighted by a report showing that the 26 richest billionaires own as many assets as the 3.8 billion people who make up the poorest half of the planet’s population.
In an annual wealth check released to mark the start of the World Economic Forum in Davos, the development charity Oxfam said 2018 had been a year in which the rich had grown richer and the poor poorer.
It said the widening gap was hindering the fight against poverty, adding that a wealth tax on the 1% would raise an estimated $418bn (£325bn) a year – enough to educate every child not in school and provide healthcare that would prevent 3 million deaths.
Oxfam said the wealth of more than 2,200 billionaires across the globe had increased by $900bn in 2018 – or $2.5bn a day. The 12% increase in the wealth of the very richest contrasted with a fall of 11% in the wealth of the poorest half of the world’s population.
As a result, the report concluded, the number of billionaires owning as much wealth as half the world’s population fell from 43 in 2017 to 26 last year. In 2016 the number was 61.
Among the findings of the report were:
  • In the 10 years since the financial crisis, the number of billionaires has nearly doubled.
  • Between 2017 and 2018 a new billionaire was created every two days.
  • The world’s richest man, Jeff Bezos, the owner of Amazon, saw his fortune increase to $112bn. Just 1% of his fortune is equivalent to the whole health budget for Ethiopia, a country of 105 million people.
  • The poorest 10% of Britons are paying a higher effective tax rate than the richest 10% (49% compared with 34%) once taxes on consumption such as VAT are taken into account.
Oxfam’s director of campaigns and policy, Matthew Spencer, said: “The massive fall in the number of people living in extreme poverty is one of the greatest achievements of the past quarter of a century but rising inequality is jeopardising further progress.

“The way our economies are organised means wealth is increasingly and unfairly concentrated among a privileged few while millions of people are barely subsisting. Women are dying for lack of decent maternity care and children are being denied an education that could be their route out of poverty. No one should be condemned to an earlier grave or a life of illiteracy simply because they were born poor.

“It doesn’t have to be this way – there is enough wealth in the world to provide everyone with a fair chance in life. Governments should act to ensure that taxes raised from wealth and businesses paying their fair share are used to fund free, good-quality public services that can save and transform people’s lives.”
The report said many governments were making inequality worse by failing to invest enough in public services. It noted that about 10,000 people per day die for lack of healthcare and there were 262 million children not in school, often because their parents were unable to afford the fees, uniforms or textbooks.
Oxfam said governments needed to do more to fund high-quality, universal public services through tackling tax dodging and ensuring fairer taxation, including on corporations and the richest individuals’ wealth, which it said were often undertaxed.
A global wealth tax has been called for by the French economist Thomas Piketty, who has said action is needed to arrest the trend in inequality.
The World Inequality Report 2018 – co-authored by Piketty – showed that between 1980 and 2016 the poorest 50% of humanity only captured 12 cents in every dollar of global income growth. By contrast, the top 1% captured 27 cents of every dollar.
Oxfam said that in addition to tackling inequality at home, developed nations currently failing to meet their overseas aid commitments could raise the missing billions needed to tackle extreme poverty in the poorest countries by increasing taxes on extreme wealth.
China’s rapid growth over the past four decades has been responsible for much of the decline in extreme poverty but Oxfam said World Bank data showed the rate of poverty reduction had halved since 2013. In sub-Saharan Africa, extreme poverty was on the increase.
Oxfam said its methodology for assessing the gap between rich and poor was based on global wealth distribution data provided by the Credit Suisse global wealth data book, covering the period from June 2017 to June 2018. The wealth of billionaires was calculated using the annual Forbes billionaires list published in March 2018.

domingo, 8 de outubro de 2017

Lançamento! Movie Activities for English Classes

Saiu do forno!

Meu primeiro E-book, Movie Activities for English Classes, acaba de ser lançado pela editora Zannah!

É uma obra para professores de inglês tornarem suas aulas ainda mais dinâmicas e divertidas, por meio de atividades com trechos de filmes.
Trata-se de um material completo, para que os alunos possam aprender ou aperfeiçoar o idioma treinando compreensão auditiva, gramática, vocabulário, conversação e escrita.
O livro é organizado em três níveis principais: básico, intermediário ou avançado e é pronto para usar! Basta imprimir as páginas e aplicar as atividades em sala de aula!
Cada atividade é um plano de aula completo para durar de 45 a 60 minutos, contendo exercícios de warm-up, pre-viewing, while-viewing e post-viewing, bem como atividades extras sugeridas.
Além de filmes, há também uma seção baseada em séries, totalizando 30 atividades (ou 30 planos de aula)! Todas com respostas.

Torne suas aulas ainda mais interessantes e motivadoras!

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Expressões de finanças

Por Companhia de Idiomas - https://www.linkedin.com/pulse/domina-express%C3%B5es-em-ingl%C3%AAs-sobre-finan%C3%A7as-fa%C3%A7a-o-teste-idiomas 

Em tempos recessivos, você saberia falar de quantas formas sobre desemprego (unemployment), por exemplo?
Há mais de uma maneira de dizer “ser despedido”:
- To be made redundant
- To be fired
- To be dismissed
- To get sacked
- To lose your job (perder o emprego, o que é diferente de "to miss your job", que significa sentir falta ou saudade do trabalho).

Para as empresas, o ato de dispensar um funcionário pode ser descrito como "to cut the workforce" ou "to lay off staff".

Vamos ver como está seu conhecimento de expressões sobre finanças e economia na língua inglesa? Relacione as expressões na coluna da esquerda às suas definições na coluna da direita:
1. To weather the storm
2. To be in good shape 
3. To live beyond your means 
4. To pay the price 
5. To foot the bill 
6. To be at rock bottom
7. To be in free fall 
8. To burn a hole in your pocket 
9. To cost an arm and a leg 
10. To splash out on

( ) to keep falling without anything stopping the fall 
( ) to be very expensive
( ) not earn enough money, so you need to borrow money 
( ) to pay a lot for an important event 
( ) to not be able to stop spending money
( ) to survive bad times
( ) to be so low you cannot go any further down
( ) to pay for someone else 
( ) to be strong 
( ) to pay for your mistakes

Agora, preencha as frases abaixo com as expressões do exercício 1, na coluna da esquerda:
1. Fortunately, we're ____________________ financially, after all the problems we faced last year.
2. The economy must be _________________ now.
3. We're trying _____________________ by lowering our prices.
4. He can't just go shopping. Money _____________________.
5. We have to stop ___________________.
6. They're ________________ their trip to the States.
7. The country is _______________ for its previous spending policies.
8. The Brazilian economy has been ________________.
9. It ___________________ to buy an apartment in São Paulo.
10. She took me out for dinner and ____________.
Respostas
Primeiro exercício
1. To weather the storm = to survive bad times
2. To be in good shape = to be strong
3. To live beyond your means = not earn enough money, so you need to borrow money
4. To pay the price = to pay for your mistakes
5. To foot the bill = to pay for someone else
6. To be at rock bottom = to be so low you cannot go any further down
7. To be in free fall = to keep falling without anything stopping the fall
8. To burn a hole in your pocket = to not be able to stop spending money
9. To cost an arm and a leg = to be very expensive
10. To splash out on = to pay a lot for an important event
Segundo exercício
1. Fortunately, we're in good shape financially, after all the problems we faced last year.
2. The economy must be at rock bottom now.
3. We're trying to weather the storm by lowering our prices.
4. He can't just go shopping. Money burns a hole in his pocket.
5. We have to stop living beyond our means.
6. They're splashing out on their trip to the States.
7. The country is paying the price for its previous spending policies.
8. The Brazilian economy is in free fall.
9. It costs an arm and a leg to buy an apartment in São Paulo.
10. She took me out for dinner and footed the bill.
Escrito por Lígia Crispino. Publicado em 27/07 na coluna semanal da Exame.com. Editado por Lígia Crispino para o blog da Companhia de Idiomas.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

25% das vagas online para professores são para línguas estrangeiras

Pesquisa da Adzuna, ferramenta de pesquisa de empregos com operações no Brasil, Reino Unido, Rússia, Canadá, África do Sul, Alemanha, Países Baixos, França, Polônia, Índia e Austrália, indica que 25% das vagas online para professores são para línguas estrangeiras.

Os resultados provém de uma análise de todos os 4.900 anúncios online para professores de quaisquer disciplinas.

Das línguas estrangeiras o inglês é o mais procurado pelas instituições de ensino que buscam professores, com 15% das vagas para docentes abertas online no Brasil. Esse número é quase 8 vezes maior que o número para professores de português, por exemplo, que  equivalem a 2%.

As 10 línguas mais comuns de serem aprendidas como segunda língua tem um número bastante desigual de vagas para professores. O inglês lidera o ranking com 768 cargos abertos online, seguida do espanhol com 179, francês (100), alemão (76) e italiano (62). As outras 5 línguas da lista possuem menos que 30 vagas, como japonês, chinês e árabe; russo e holandês possuem menos de 10 vagas. (Fig.1)

Em relação ao número total de vagas para professores, independentemente da matéria de ensino, cerca de 75% das vagas estão concentradas na região Sudeste. Em especial na grande São Paulo, que concentra 1.719 oportunidades abertas online, o que equivale a 35% do total de vagas do Brasil.

A segunda região com maior número de vagas é o Sul, com aproximadamente 9% das vagas. O Nordeste e Centro-Oeste tem 3,4% e 4% respectivamente, sendo o Norte a região com o menor número anúncios de vagas abertas online do país, com apenas 0,8%.

A pesquisa foi realizada com base nas vagas indexadas no buscador de vagas, não incluindo vagas públicas do governo. Também vale ressaltar que muitas das vagas no ensino privado são preenchidas por recomendação.

terça-feira, 24 de maio de 2016

Resenha - Inglês para professor

Fonte: http://blogdisal.com.br/resenha-ingles-para-professor-vanessa-prata/

Após uns meses sem conseguir contribuir para o blog da Disal (tenho a desculpa de estar na fase de qualificação do mestrado rs…), estou de volta! E escolhi como tema comentar o livro Inglês para Professor, de Higor Cavalcante, pois tem um motivo especial para mim.
Conheci o Higor ainda na adolescência (só uns aninhos atrás, não é, Higor?), quando nós dois éramos alunos de uma escola de inglês. O detalhe é que não era na mesma unidade, e só nos conhecemos inicialmente como pen pals, numa época pré-email, Facebook e WhatsApp, por meio do jornalzinho que circulava entre as unidades dessa franquia. Morávamos longe um do outro também e, até então, não tínhamos amigos em comum. Ou seja, tinha tudo para não dar em nada. Mas eis que no final da adolescência éramos praticamente best friends e, ao longo de nossas carreiras, sempre fomos nos cruzando, apesar de nunca trabalharmos juntos na mesma escola ao mesmo tempo. Ainda hoje mantemos contato, embora bem menos do que gostaria. Nem conheci a filhinha dele ainda… precisamos mudar isso!
Enfim, depois de todo esse preâmbulo, vamos à pauta: seu primeiro livro, Inglês para Professor, editado pela Disal. Como o subtítulo já explica, o livro aborda vocabulário, gramática e pronúncia para professores (brasileiros) de inglês. Mas um livro de inglês para professor, como assim? O prefácio de Luiz Otávio Barros explica: há um abismo entre saber que e saber como, ou seja, muitos professores conhecem as regras, mas não sabem utilizá-las na prática. Por outro lado, há profissionais com bom domínio do idioma, mas conhecimentos limitados de suas principais regras e exceções.
Certamente todo professor, mesmo os que sabem as regras e como usá-las, aprenderão algo a partir do livro também. Só nas primeiras páginas, por exemplo, já aprendi palavras novas como mottledbumpychuffed,stifling, que podemos usar só sit an exam ou sit for an exam (Australian English), que a redução de uma palavra mais longa, como acontece com fridge (de refrigerator), chama-se clipping, e muitas outras coisas.
O livro é escrito em linguagem informal e fácil de ler, com exemplos de todos os pontos abordados e algumas seções com foco nas dúvidas mais comuns de professores brasileiros de inglês. Mas claro que o material pode ser útil para alunos de inglês também, notadamente os de nível avançado. Vem ainda com um CD, com a gravação de todas as frases de exemplo do capítulo de pronúncia, e exercícios de cada tema abordado (que eu ainda não fiz, mas farei pós-qualificação. Professor também enrola para fazer homework…).
Evidentemente, um livro que aborda três macroáreas não pode aprofundar nenhuma delas, mas isso não chega a ser um defeito. O objetivo do material é focar nas principais dificuldades de professores de inglês, e não ser uma obra de referência de vocabulário, gramática ou pronúncia. Cumpre bem essa função e complementa outros materiais que os professores precisamos conhecer, consultar sempre e, claro, aplicar em sala de aula.