quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A Árvore da Felicidade

Acredito que muitos já tenham cruzado com o texto abaixo (cuja autoria desconheço) em algum momento, mas em vez de postar um cartãozinho bonitinho de Natal, preferi "plantar" novamente a semente dessa "árvore da felicidade".


Saia de casa para dar
um passeio. Sorria para as
pessoas. Reveja o álbum de
família. Conte as estrelas. Telefone aos
amigos. Diga “gosto muito de você”. Converse
com Deus. Volte a ser criança. Apague totalmente a palavra
“rancor” de seu coração. Diga muitas vezes “sim”. Dê uma boa
risada. Leia um livro. Cumpra uma promessa. Cante uma canção. Lembre-se do aniversário de seus amigos. Ajude alguém doente. Mude a sua aparência. Divirta-se. Esteja disponível para escutar. Deixe seu pensamento viajar. Retribua um favor. Termine aquele projeto. Quebre a rotina. Tome um banho de espuma. Escreva uma lista de coisas das quais você gosta. Faça uma gentileza. Escute os sons da Natureza. Agradeça a Deus pela vida. Aceite um elogio. Perdoe e principalmente perdoe-se. Deixe que alguém cuide de você. Demonstre que está feliz. Faça algo que sempre desejou mas ainda
não conseguiu. Toque a ponta do pé. Observe uma flor. Evite dizer “não posso”. Cante sob o chuveiro. Saboreie cada momento de sua vida. Reformule alguma tradição familiar. Faça um piquenique junto à Natureza. Não se preocupe. Tenha coragem de realizar pequenas coisas. Seja humilde Diante do poder da conquista. Ajude um vizinho. Afague uma criança e ouça
um idoso. Abrace uma árvore. Permita-se brilhar. Dê um tapinha nas
próprias costas. Vibre pelo seu time. Pinte um quadro.
Cumprimente alguém que você não conhece. Presen-
teie-se. Faça mudanças. Delegue
tarefas. Receba pessoas de
forma afetuosa.
Viva pelo prazer
de viver. Con-
serve esta árvore
com você du-
rante o ano 2011.
Procure realizar pelo menos dez
de suas tarefas por dia. Você perceberá
o quanto melhorará sua vida durante o ano.
Feliz Natal e um 2011 cheio de bons frutos!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Últimos dias para se inscrever nos cursos de férias a 10 reais

Inscreva-se até dia 23/12 nos cursos de férias da UnG, pagando apenas 10 reais por cursos de 8 horas. Entre as mais de 400 opções, confira os dois cursos que ministrarei:

- Inglês com Filmes e Vídeos (29/1- sábado, das 9h às 18h)
- Inglês com Jogos e Músicas (31/1 e 1/2, 2a e 3a, das 9h às 13h)

Acesse http://www.ung.br/cursosdeferias, selecione o campus do Shopping Light e encontre esses cursos no menu Educação.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Article - The bad side of Santa Claus


Sent by my student Daniel

Santa Claus: a public health pariah?

BMJ 2009; 339:b5261 doi: 10.1136/bmj.b5261 (Published 16 December 2009)
Nathan J. Grills, public health fellow
Picture 1 - Unhealthy Santa Claus/ Picture 2 - Healthy Santa Claus

Santa Claus is a well known and loved character, but Nathan Grills and Brendan Halyday question whether he is a healthy role model Santa Claus long ago displaced the Virgin Mary and baby as the most unmistakable Christmas iconography. A recent study among hospital inpatients concluded that awareness of Santa was near universal.1 Given Santa’s fame, he has considerable potential to influence individual and societal behaviour—and not necessarily for
good. Santa is a late adopter of evidence based behaviour change and continues to sport a rotund sedentary image. But this is not the only example where Santa’s behaviour and public image are at odds with contemporary accepted public health messages.

Advertising to children
Eric Schlosser and Morgan Spurlock have both described how McDonald’s used Ronald McDonald to target their products at children by creating an association between McDonald’s food and happy times. Spurlock showed how Ronald McDonald was more highly recognised than the American president or the Pope. Interestingly, Schlosser documents that among American
schoolchildren Santa Claus was the only fictional character more highly recognised than Ronald McDonald. If Ronald McDonald can be so effective at selling burgers to children, we might expect Santa to be equally effective at selling other goods. After all, it was Santa’s advertising potential that reincarnated simple Saint Nicholas into the glory of a universally recognised icon. Santa’s contemporary image was cemented by the Coca-Cola advertisements that began in the 1930s.4 By the mid-1950s Santa had become the leading sales consultant for numerous other companies and products. Today, he is one of the biggest sellers at Christmas and appears in adverts on television, the internet, billboards, and shop fronts. Public health needs to be aware of what giant multinational capitalists realised long ago: that Santa sells, and sometimes he sells harmful products. Several countries, like the UK, limit what can be advertised to children. Since Santa is a childhood icon should we prevent him from selling products such as alcohol and unhealthy
foods?
Furthermore, Santa has a growing impact on international public health. Like Coca-Cola, Santa has become a major export item to the developing world. Countries such as India are increasing
celebrating the Christmas festival. The potential for Santa’s growing acclaim to be misused may even be greater in countries where there is less regulation of advertising.

Obesity
Epidemiologically there is a correlation between countries that venerate Santa Claus and those that have high levels of childhood obesity. Although given the various confounders it is premature to conclude causality, there is a temporal pathway whereby Santa promotes a message that obesity is synonymous with cheerfulness and joviality. Rear Admiral Galson, acting US surgeon general in 2007, commented, “It is really important that the people who kids
look up to as role models are in good shape, eating well and getting exercise. It is absolutely critical.”7 He went on to explain that Santa should slim down.
To create a supportive environment for Santa’s dieting we should cease the tradition of leaving Santa cookies, mince pies, and milk, brandy, or sherry. This is bad not only for Santa’s waistline but for parental obesity. When Santa is full, Dad is a willing helper. Maybe we should encourage Santa (and his helpers) to share the carrots and celery sticks commonly left for Rudolf. Santa might also be encouraged to adopt a more active method to deliver toys— swapping his reindeer for a bike or simply walking or jogging.

Endorsing smoking
Santa was a former lead salesman for cigarettes; however, thankfully, Santa has been banned from overtly advertising cigarettes in many countries. Referring to a letter in which Santa
claims he quit, John Banzhaf, an antismoking advocate, said: “Christmas is about children, and it is wonderful that Santa Claus is setting such a powerful example in protecting them from tobacco smoke pollution. Perhaps the most important and lasting gift any smoker can give a child is to give up smoking, or at least to stop smoking around the child.” Although Santa is banned from smoking in public, the image of the jolly, pipe smoking, bringer of good tidings remains firmly engrained in many people’s imagination. Furthermore, images of Santa enjoying a cigar are still available on Christmas cards and drawings. One blogger recounts how a 4 year old child spotted one such picture and said, “Look, Mommy, Santa Claus is smoking.” You can just imagine a cheeky 12 year old arguing, “Oh Mum, how bad can smoking be? Santa smokes, and he must be at least 99 and hasn’t died of lung cancer yet.”

Reckless role model
Injuries are the leading cause of death in childhood.11 Santa’s public health image in relation to injury prevention has been questioned. The tradition of leaving Santa a cup of brandy led one mother to worry “that my kids are going to think I am encouraging drink driving.” With a few billion houses to visit, Santa would quickly be over the limit. Reassuringly however, another blogger responded to the concerned mother, arguing that “technically it is not Santa
driving as Rudolph and the Reindeers are trained to pull Santa.” Other dangerous activities that Santa could be accused of promoting include speeding, disregard for road rules, and extreme
sports such as roof surfing and chimney jumping. Despite the risks of high speed air travel Santa is never depicted wearing a seatbelt or a helmet.

Infectious disease vector
A quick perusal through the Victorian infectious diseases surveillance records shows no notifications of infectious disease outbreaks associated with kissing Santa. Although there were no cases of infectious mononucleosis (“kissing disease”) associated with Santa, there have been numerous foodborne viral and salmonella outbreaks associated with Christmas parties. Santa was not named as a suspected point source. Surveillance programmes do not routinely collect data on Santa exposure but, temporally at least, Santa is potentially a point source for infectious diseases outbreaks. The grey literature documents clear basic hygiene issues arising from interactions with Santa. One survey found that “Santa is sneezed or coughed on up to 10 times a
day.”13 The potential for Santa in his asymptomatic phase to propagate an infectious disease is clear. Unsuspecting little Johnny gets to sit on Santa’s lap, but as well as his present he gets H1N1 influenza. Santa continues on his merry way and gives the present to a few more 100 kids before coming down with influenza himself. This then becomes a contact tracer’s nightmare.
Additionally, in Australia there is no health check required for most Santas. I have played Santa for two school concerts and one staff function. I was not required to have a health check. It basically relies on the impersonator’s judgment. Indeed, in my first appearance I was filling in for my father who had a viral respiratory illness. He had the insight, or at least a good excuse, to delegate the Santa responsibility and so avoided infecting children. There were no tests for meticillin resistant Staphylococcus aureus, no screening for current viral illnesses, and no immunisation checks. I was kissed and hugged by snotty nosed kids at each performance and was never offered alcohol swabs to wipe my rosy cheeks between clients. The reality is that Santa impersonators are in short supply in December, and organisers of such events are so desperate for Santa impersonators that they skimp on public health safeguards.
In America, some Santas are subject to criminal background checks and pre-employment drug screens.3 However, there is no standardised requirement for Santa to have a medical check-up or even prove his immunisation status. Regulations to mitigate this public health risk should be considered. Clearly, basic Santa education and Santa screening are warranted.
Even more concerning is how Santa’s travels might contravene the international health regulations in the context of an outbreak of new infectious diseases such as avian influenza.14 In the case of a public health emergency, WHO may institute measures to prevent the
international spread of disease. However, Santa flouts the requirements for surveillance at “designated airports, ports and certain ground crossings,” and the international regulations do not mention how to control this transnational unconventional public health threat.

Conclusion
Santa studies is a developing field in public health, and currently there is a disappointing lack of rigorous research on the effect of Santa on public health. More targeted research is required before authorities might take action to regulate Santa’s activities. This research should particularly focus on the ability of Santa to encourage unhealthy behaviour; the use of Santa in advertising to kids; and the infectious disease risk of Santa impersonators.
We need to be aware that Santa has an ability to influence people, and especially children, towards unhealthy behaviour. Given Santa’s universal appeal, and reasoning from a population health perspective, Santa needs to affect health by only 0.1% to damage millions of lives.

Nada de contrafilé - O prato é "against fillet"

Enviado por Robert Hall

Nada de contrafilé - O prato é "against fillet"

Por Pedro Dantas, www.estadao.com.br, Atualizado: 12/12/2010 0:09

Já de olho nos turistas da Copa 2014 e a Olimpíada de 2016, botequins e restaurantes da zona sul carioca resolveram adotar cardápios bilíngues português/inglês. Como alguns apelaram a tradutores eletrônicos da internet, os cardápios ficaram pra lá de divertidos. No bar Inhangá, em Copacabana, por exemplo, o contrafilé virou 'against fillet', algo como 'contrário ao filé'. E o tradicional filé à Oswaldo Aranha virou 'steak to Oswald Spider'.
'Não faz nenhum sentido, mas já estou acostumado. Já vim quatro vezes ao Rio e aprendi palavras em português decifrando cardápios', conta o bem-humorado dinamarquês Karl Wood, de 44 anos, no Inhangá.
Wood se divertiu com as sugestões de 'trim to the french', algo como 'elegante para o francês', que, por algum motivo, foi a tradução escolhida pelo bar para 'guarnição à francesa'. Ele tentava decifrar porque o arroz à grega virou o impagável 'greek rice and there' - literalmente 'arroz grego e lá'. 'Não lembro quem fez a tradução, mas depois do cardápio em inglês ficou mais fácil atender os turistas. Eles aprovaram a novidade', garantiu o gerente do bar Rogério Fernandes, de 26 anos.
O mesmo acontece no Bar Pierrot, também em Copacabana. Lá, bife à cavalo é apresentado como 'beff (e não beef) steak to the horse', algo como 'bife para o cavalo'. Carne de sol virou, literalmente, 'sun meat'.
As grandes redes de restaurantes e as casas mais sofisticadas preferem contratar tradutores profissionais, mas tampouco escapam dos escorregões. 'Já vi erros graves até em hotéis e restaurantes de luxo em todo o Brasil. Uma dica é sempre evitar as traduções literais para comidas típicas, como escondidinho e a própria carne de sol. Nunca dá certo', diz a professora Katie Anderson, de 23 anos, que ensina inglês há 4 no Rio.
O professor Brian Begnoche, de 26, também conta já ter visto várias traduções semelhantes aqui, mas lembra que isso acontece no mundo todo. 'Pode ser engraçado, mas é admirável que essas pessoas estejam tentando ganhar dinheiro honestamente e tornar a vida do turista mais fácil', diz o americano, que aprende português e leciona inglês no Rio há mais de dois anos.

ALGUMAS 'PÉROLAS'
Churrasco: 'barbecue joint'
Aves: 'birds'
Carne seca à mineira: 'meat to drought mineira'
Medalhão à moda da casa: 'medallion to fashion house'
Estrogonofe de frango: 'chicken stroganoff'

domingo, 12 de dezembro de 2010

Blog TPM - Toques para Mulheres

Enviado por Ciça Lopes

Após criar o blog e o livro Cem Toques Cravados, o escritor Edson Rossatto lança agora o blog TPM - Toques Para Mulheres, uma provocação bem-humorada ao universo femininino.
Confira!

sábado, 11 de dezembro de 2010

Cursos de inglês nas férias por apenas 10 reais!

Estão abertas inscrições para mais de 400 cursos de férias da UnG-Universidade de Guarulhos, inclusive para o campus do Shopping Light, no centro de São Paulo.
Convido a todos, alunos e professores, a se inscreverem nos dois cursos que ministrarei no Shopping Light:

- Inglês com Filmes e Vídeos (29/1- sábado, das 9h às 18h)
- Inglês com Jogos e Músicas (31/1 e 1/2, 2a e 3a, das 9h às 13h)

Mesmo quem já fez o curso de filmes, pode se inscrever novamente, pois haverá novas atividades.

Para alunos, esta é uma chance de "desenferrujar" o inglês e praticar o idioma de uma forma lúdica; para professores, é uma oportunidade de trocar experiências e conhecer atividades que podem ser usadas nas suas aulas.

Inscreva-se por apenas 10 reais até 23/12! Procure no site da UnG pela unidade Shopping Light, menu Educação.
Entre os outros cursos disponíveis, há também um ministrado por meu pai: Seguros - Todos Precisamos Deles - no campus da UnG em Guarulhos (centro), menu Administração.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Answer a quick poll

Dear teachers,
A friend of mine, Vivian Magalhães, is writing an article and she needs teachers to complete a very quick online poll. It takes less than a minute to answer and you don't need to write your name. If you want to help, access https://spreadsheets.google.com/viewform?formkey=dHRicW1kNGliMGRWdlV0a0owNmRSb0E6MQ.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

500 posts!

Cheguei aos 500 posts, em pouco menos de 2 anos de existência do blog!

No último mês, foram mais de 1500 visitas!

Agradeço a todos que visitam o blog com frequência e convido novamente os que não me visitam com tanta frequência assim... Continuem mandando sugestões e comentários!

Abraços a todos meus leitores fiéis e eventuais,
Vanessa

Tradução para dublagem e legendagem


Link enviado por Ciça Lopes

Você é daqueles que adora falar mal da dublagem ou da legendagem quando assiste a um filme estrangeiro, principalmente quando sabe o que os atores falaram no original? Então, conheça um pouquinho das dificuldades de se fazer esses trabalhos antes de sair criticando os "pobres tradutores" (eu também falava mal das legendas até começar a fazer a pós em Tradução...)

Texto e entrevista retirados do blog http://jps-ltf-eterna-estudante.blogspot.com/2009/01/traduo-para-dublagem-e-legendagem.html

Tradução para dublagem e legendagem

A tradução para dublagem e legendagem, embora seja reconhecida como das melhores por diversos países, ainda sofre restrições em nosso país. Muitas críticas existem em relação ao assunto, porém, a maioria das pessoas ignora como é realizado o trabalho do tradutor. Portanto, esse trabalho vem esclarecer alguns pontos para dirimir algumas dúvidas que ainda circula o profissional.

Dublagem
Deve-se respeitar a métrica, o movimento labial e a interpretação dos atores, o texto é dito de um modo que precisa ser muito natural. O dublador cede sua voz à interpretação, em idioma local de certo personagem, a fim de substituir a voz dos atores ou dubladores originais de filmes, animações, seriados, etc.

Particularidades na tradução para dublagem
O tradutor faz a adaptação da obra original ao idioma local, para ser utilizada pelo dublador.

Legendagem
Existem dois limites básicos – o número de caracteres que cabem na tela e o tempo de leitura necessário, proporcional ao número de caracteres. É calculado o número de caracteres da legenda de acordo com o tempo disponível. A boa legenda constitui uma forma de leitura que não desvie a atenção do espectador do filme e a ordem seja alterar o que se diz para tornar a mensagem mais simples; aliar precisão da informação, adequação do texto ao tempo de leitura, boa apresentação estética da legenda e estilo coerente com a fala original.
Legenda não deve ser produzida seguindo só o material-imagem, pois acaba realizando um texto que pouco combina com a cena em que ele se insere.

Particularidades na tradução para legenda
O material base normalmente é falado, caracterizado por elipses, anacolutos, hesitações, traços motivos e gestuais, sempre presente, configurando impressões paralelas ao que é dito.
Ritmo de fala e pausas retóricas tem que ser levadas em consideração.
Material ficcional, como filmes, seriados, não se pode perder de vista que cada personagem tem um jeito peculiar de falar, com competência lingüística diferente e, universo lexical apropriado à sua caracterização. O bom tradutor jamais esquecerá esses traços, para evitar a “pasteurização” de todas as falas, marcar e evitar em seu texto essa diversidade. Nesse sentido a tradução para legenda se aproxima da tradução literária.
O tradutor para legendas não pode perder de vista o caráter educativo que o seu texto apresenta, deve encontrar um equilíbrio entre a manutenção do coloquialismo e a competência discursiva do texto, assim garantindo o melhor produto final aos espectadores.
Além das limitações técnicas, que não podem ser burladas, sob pena capital para a qualidade final do produto “filme”, esbarra também na amplitude dos assuntos tratados. Dramalhões românticos, modernos e clássicos, filmes de máfia, de gangues negras, de gangues latinas, de esportes pouco praticados no Brasil, de brigas judiciais, dramas médicos, religião, filmes institucionais, técnicos... O tradutor de filmes encontra pela frente um pouco de muitas coisas, dos mais variados temas e áreas de conhecimento.
Há tipos de programação, principalmente os que envolvem transmissão de eventos, que não têm o roteiro, o que aumenta a possibilidade de haver erros de tradução. Dicção, sotaque, captação do som original, problemas de gravação, tudo isso dificulta o levantamento do texto e, por conseqüência, o trabalho do tradutor.
Traduzir para legendagem e dublagem é uma atividade que exige estudo e que se aprende com a prática, com muita transpiração e inspiração.
O fato de o Brasil ter uma das melhores dublagens do mundo tem também a contribuição de quem traduz.
As técnicas de tradução para legendagem e dublagem são muito específicas e muito diferentes entre si.

Trechos da entrevista sobre dublagem
Elaine Pagano, tradutora de Pokémon!

- Olá Elaine. Primeiramente obrigado pela entrevista. Pra começar, por que não se apresenta?
Olá, pessoal. Eu sou Elaine Pagano, tradutora para dublagem. Trabalho nessa área há 15 anos e gosto muito do que faço. Eu sempre gostei de assistir filmes e achava muito interessante como as pessoas conseguiam traduzir aquele filme ou desenho que eu estava assistindo, achava aquilo maravilhoso e resolvi estudar inglês, porque também adorava a língua, e em 1993, já com meu diploma embaixo do braço comecei a ir atrás dos estúdios de dublagem. (...) Durante esses 15 anos já traduzi muitas coisas como por exemplo: 24 horas, Pokémon, Bananas de Pijamas, Super Doll Lica-chan, Shin-Chan, Lost World (O Mundo Perdido), as novelas “Um amor de babá” (Record) e “Olhos d´agua” (Band), além dos filmes Dinotopia, Mentes Perigosas, Um drinque no Inferno I e II, A escolha de Sofia, Transamérica, etc... Nossa, foram centenas que eu não vou me lembrar de todos eles agora (risos).

- Vamos direto ao ponto. Como Pokémon caiu nas suas mãos?
Bom, logo que regressei dos EUA, minha 1ª casa foi na Parisi Vídeo, e na época eles dublavam “Pokémon” e “Yu-Gi-Oh!”, isso foi em 2002 [nota do editor: ano da dublagem do quinto ano de Pokémon]. Eles me passavam alguns episódios para traduzir, mas já existiam outros tradutores na casa que já faziam essas traduções, mas no Parisi eles não tinham o menor cuidado em deixar uma série com o mesmo tradutor, porque, sendo assim, o tradutor conhece os personagens desde o começo, sabe qual é a linguagem que determinado personagem usa, enfim, segue um padrão e o trabalho fica limpo, e também não tinham o profissionalismo de passar pelo menos um glossário para o tradutor sobre os golpes (no caso de Pokémon) ou sobre as cartas (no caso do Yu-Gi-Oh!), o tradutor tinha que se virar. Resultado: o tradutor que não sabia, traduzia a sua maneira, mais ao pé da letra, e acabava não dando muito sentido porque os diretores de dublagem também não se importavam muito com isso. Hoje em dia é diferente. A Centauro, que é a responsável pela dublagem do “Pokemon”, é uma empresa idônea, muito profissional e exige em 1º lugar qualidade e profissionalismo e oferece ao tradutor condições de trabalho para isso. Estou trabalhando com a Centauro há 3 anos e desde que cheguei lá e souberam que eu já havia feito alguns episódios no Parisi, imediatamente me passaram as séries por problemas com o antigo tradutor.

- Quais foram as dificuldades ao traduzir o oitavo ano de Pokémon, tendo em vista que a série tinha um tradutor fixo desde o terceiro ano?
Pois é, como eu disse, para um trabalho de série ficar perfeito é preciso acima de tudo entrosamento e profissionalismo entre as pessoas envolvidas, o que não aconteceu no 8º ano (que foi o meu 1º ano como tradutora Pokémon), uma vez que o antigo tradutor não me passou o glossário dos golpes e eu tive que fazer a tradução mais ao pé da letra e do que eu lembrava da época do Parisi(2002), foi muito difícil. A Centauro não teve culpa já que não tinha como fazer o ex-tradutor entregar isso.

- Qual sua posição sobre a ajuda que começou a receber a partir do nono ano? O que acha das séries que recebem ajuda de fãs na tradução e dublagem?
No 9º ano comecei a receber a ajuda do pessoal da “PokePlus”, que foi indispensável para a tradução ficar boa. Nada melhor do que quem conhece a fundo, curte e acompanha “Pokémon” para passar para o tradutor os nomes certos dos golpes. É indispensável a participação dos fãs! Gente, tradução é uma coisa muito pessoal, eu posso traduzir de uma forma e quem está assistindo ou lendo pode traduzir de outra e isso não quer dizer que esteja errado, é só a forma de colocar as palavras. Então, devemos esse título de 'Melhor Tradução e Adaptação' a vocês que me ajudaram a traduzir da melhor forma [nota do editor: A Elaine se refere ao primeiro lugar na votação popular de melhor tradução, que Pokémon ganhou com grande vantagem no "Oscar da Dublagem"].

- Levando em conta que recebemos muitos e-mails pedindo para usar nomes japoneses ao invés dos americanos, qual é o limite das mudanças que o tradutor pode fazer no texto?
Bom, gente, isso quem resolve é o cliente, é o distribuidor no caso, é ele quem determina o que quer, como ficarão os nomes. É ele também que escolhe as vozes que irão dublar tais personagens. Por exemplo, nomes de personagens nós, tradutores, não temos autorização para mudar.

- Acho que essa entrevista é ótima para justificar alguns erros que aconteceram na tradução. Os fãs querem saber: Por que o personagem Tracey foi considerado uma mulher? E como você lida com as críticas ao seu trabalho?
Vou contar um pouco da rotina do meu trabalho para vocês entenderam melhor esse processo. Eu recebo um script em inglês com os nomes dos personagens e suas falas e o vídeo que a Centauro me passa. Eu traduzo o texto e no final assisto ao episódio para ver se está tudo certo e se as falas que traduzi cabem na boca do personagem, já que temos que prestar atenção no “lip sinc” que é o sincronismo labial.
Especificamente no caso do Tracey: no script em momento algum especificava “he or she” [nota do editor: “ele” ou “ela” em português], eu não tinha como saber se era um personagem masculino ou feminino. Só nos últimos episódios foi que apareceu o personagem e vi que era masculino, mas desde o começo eles já haviam dublado como feminino e não dava mais para redublar, uma vez que os episódios já estavam no ar. Eu acho que as críticas são sempre construtivas, se são boas, ótimo, me sinto realizada, se não são boas, bom, vamos ver o que está errado para corrigir. O que me incomoda um pouco é o fato das pessoas não saberem qual o processo da tradução, da dublagem em geral, e começarem a falar mal sem pelo menos entenderem o porquê de tal erro ter ocorrido. Um dos maiores fatores para ocorrer algum erro é o fator tempo já que o cliente nos passa em cima da hora e quer tudo pronto para o dia seguinte. Tanto da minha parte como da parte da Centauro nós trabalhamos de maneira muito profissional e com muita responsabilidade e não queremos em hipótese alguma que haja nenhum erro.

- Você tem contato com a diretora da dublagem?
Tenho só quando há necessidade. Eu apenas faço a tradução e a diretora tem total autonomia para mudar a tradução como ela quiser, mas se ela muda alguma coisa do personagem eu sou avisada, caso contrário, eu continuo fazendo do mesmo jeito.

- Como que chega um episódio pra você e quais são os passos até o episódio voltar para a Centauro traduzido?
Eu recebo o script e o vídeo por e-mail, baixo o script, deixo baixando o vídeo que leva em média de 3 a 4 horas, (um episódio de 22 minutos) e vou traduzindo o script. Depois de traduzido, que também levo em média umas 4 horas para traduzir, eu acompanho o vídeo já com a tradução para ver o sincronismo, ver se está tudo certo, como no caso do Tracey, se ele já tivesse aparecido no desenho, eu saberia que se tratava de um menino e então eu teria corrigido, mas nesse caso específico ele só foi aparecer bem no final. Depois de revisado, eu envio a tradução por e-mail para a Centauro e daí é um outro processo até entrar no estúdio para a diretora gravar.

- Qual foi a série mais difícil de traduzir?
Eu acho que foi “24 horas”, tem muita fala, o tempo é muito curto e exige muita pesquisa porque usam termos muito técnicos.