quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Inglês para viagens

Vai viajar ao exterior e ainda não está afiado no Inglês? Confira o curso Inglês para Viagens, da Companhia de Idiomas, que abordará situações de comunicação em aeroporto, hotel, restaurantes, lojas, entre outros temas.

Data: de 11 de novembro a 2 de dezembro
Horário: quartas-feiras, das 19h às 21h30
Investimento: R$ 300,00 (com material incluso)
Local: Companhia de Idiomas, Rua Serafim Orlandi, 188 - Jardim Vila Mariana - São Paulo
Telefone: 11 5549-5349

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Pós-graduação em Harvard

A Faculdade de Pós-Graduação em Educação de Harvard (HGSE-Harvard Graduate School of Education) e o escritório brasileiro do Centro David Rockefeller de Estudos Latino-Americanos da Universidade Harvard (DRCLAS) apresentam no dia 3 de novembro uma palestra sobre cursos de mestrado e doutorado em educação em Harvard.
A HGSE oferece 13 programas de mestrado e 2 programas de doutorado para carreiras em ensino e pesquisa, gestão escolar, ensino de língua e alfabetização, políticas educacionais e muitas outras linhas de pesquisa.
O evento será em inglês, sem tradução simultânea, e fornecerá informações sobre a Faculdade, seus programas acadêmicos, vida estudantil, oportunidades de bolsas e o processo de admissão para possíveis candidatos brasileiros.

Serviço:
Data: Terça-feira, 3 de novembro
Horário: 20h
Local: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Edifício Rev. Wilson de Souza Lopes - Sala 101
Rua Piauí, 143 - 10º andar – Higienópolis
São Paulo (SP)

A mí me gustan las hamburguesas

video

domingo, 25 de outubro de 2009

I've won a prize from Pearson Longman!

This week I was informed that I was the winner of the First Lesson Competition promoted by Pearson Longman website. Teachers from all over the world sent lesson plans to take part in the contest and I won with the following activity, based on the movie The Devil Wears Prada.

The Devil Wears Prada

Answer the questions as you watch the second scene from the film (from 3’25” to 10’15”)

1 – Describe Andrea’s clothes and appearance and compare to the other girls in the office.
2 – Why did Emily laugh when Andrea said she wanted to work there?
3 – Who’s Miranda? How can you describe her physically and psychologically?
4 – Why did everybody get nervous when Emily got a message? What did they start to do?
5 – What happened during the job interview with Andrea? Was Miranda interested in her?
6 – How did Andrea convince Miranda she was the best person for the job?

Now, discuss the questions with a partner

Do you like fashion? Do you read fashion magazines?
Do you like to wear fashion clothes? Do you care about designer labels?
How much would you pay for a T-shirt, a pair of pants, a pair of shoes, a bag etc?
Is fashion important for society? Why (not)?
What’s your opinion about people who spend a lot of money on clothes and accessories? If you were very rich, would you spend much money in clothes too?
Do you think people judge others for their appearance? Why (not)?
How careful should we be about appearance when going to a job interview? What should/shouldn’t we do?

If you are interested in the answer key, just send me an email.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Interview - Andreas Schroeter - Founder of the biggest online dictionary


Andreas Schroeter is a German guy who loves languages and decided to share this passion with the world with a project to create the biggest online dictionary, the portal bab.la.

Check his ideas in this interview:
Tell us something about your education and professional experience.
Andreas -
My background is actually in business. But I have always been fascinated by new countries and cultures. My mother is Swedish so I guess I have this explorer gene from here. That's why I decided to study international business. I went on exchange to Canada and Sweden and did two internships in France and Sweden. So I am fluent in German and English, quite good at French and Swedish and have some basic Spanish knowledge.

How did you have the idea for the site bab.la? How did you create it and when?
Andreas -
I had the idea while being on exchange. Communicating in another language can be quite tricky and I wanted to have a website to go to that is all about languages: Where you could look up translations, find the right phrases, practice your vocabulary and so on. It took me another 7 years to actually start the website, but in July 2007 it finally went live.

Who's the team behind the site?
Andreas -
Patrick is our IT guy, who is in charge of all the programming. Thomas is my brother. He got so fascinated by the idea that he decided to join and is now managing all the content. I am in charge of the making bab.la known to the world. In addition, we have one native speaker for every language here in Hamburg.

You have a very ambitious project, to create the world's biggest online dictionary. How do you plan to do that?
Andreas - You need a bold vision to succeed
. We are working as hard as we can but it wouldn't work without all the users helping us. Every day users add new words, create new language quizzes, put new vocabulary lessons online and share these with other users. This wiki-style approach allows us to grow fast. Everyone is welcome to join and help us.

The site offers free content and it doesn't work as a tool for advertising a school or online sales, for example. How does the the site make profit?
Andreas -
The idea is to share as much information as possible for free. The advertising is necessary to cover our costs. However, we also offer some content such as vocabulary lessons for a premium fee. These lessons are licensed from known brands such as Langenscheidt and Pons and we keep a share of the premium fee.

What's the main difference between your site and other similar multilingual online dictionaries?
Andreas -
This is going to be a slightly biased answer ;-) Of course we feel that we offer the best product. In our dictionaries, we offer various additional functions such as pronunciation, synonyms, sample sentences and so forth. We also work on adding new translations every day, through our team and the users. Besides the dictionaries we offer great additional products such as our phrasebook or our vocabulary lessons.

It seems that the project involves an emotional aspect, as you want to have a 'portal where language lovers can meet and exchange their ideas and learn languages from each other'. How important is emotion in learning languages?
Andreas - Emotion is the best way to learn a language
. I married a Canadian and trust me, my English is getting better every day. If you feel strongly about a language, learning will be fun and you won't perceive it as work. You'll try to use it as often as you can and thereby improve way quicker than by just sitting in a language class.

Do you know Brazil? Can you speak Portuguese? The site offers a Portuguese dictionary, but the flag is from Portugal. Do you intend to have something on the site related to the differences between Portuguese from Portugal and from Brazil?
Andreas -
No, unfortunately I don't speak Portuguese. Regarding the flags we had a very long discussion about it since some languages are spoken in several countries. We decided to stick to the flag where the word originates from. I know it is 'unfair' for some countries but it helps the user find the right language a lot faster. We also include as many regional words and translations as we can. You'll find them marked with the country it used in. One example would be the translation for bus.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Dicionário de Português online

Uma opção de dicionário online gratuito de Português é o Aulete, com mais de 818 mil verbetes, além de extras como "palavra do dia" e jogo da forca. Confira.

33a Mostra de Cinema de São Paulo


Começa nesta sexta, 23 de outubro, e vai até 5 de novembro, a 33a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que trará mais de 400 filmes de todo o mundo. A mostra inclui produções do Brasil, EUA, Argentina, França, Suécia, Alemanha, Hong Kong, Finlândia, Grécia, Coreia do Sul e muitos outros países.
Alguns dos cinemas participantes são: Unibanco Arteplex, Cine Bombril, Cinema da Vila, Espaço Unibanco, Cinesesc e HSBC. Confira a lista completa.
Entre os filmes exibidos, estão: A Hora da Estrela, de Susana Amaral, A Mulher do Lado, de François Truffaut, Abraços Partidos, de Pedro Almodóvar, Aconteceu em Woodstock, de Ang Lee, Ervas Daninhas, de Alain Resnais, entre outros. Confira a programação completa.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Guia de sobrevivência

O portal bab.la acaba de lançar mais uma ferramenta online: os Guias de Sobrevivência, disponíveis para download gratuito em pdf. Os guias contêm as palavras e frases mais importantes quando se viaja ao exterior, em 14 idiomas diferentes. Abordando três grandes áreas: Conversação, Reclamações e Computador, as frases podem dar uma ajudinha na hora de cumprimentar as pessoas, pedir direções, reclamar de algo errado no hotel ou restaurante e até mesmo não ficar perdido na frente dos menus do Office em outras línguas.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Happy Teachers' Day!

Why God Made Teachers

By Kevin William Huff (at least that's the credit according to google...)

When God created teachers,
He gave us special friends
To help us understand His world
And truly comprehend
The beauty and the wonder
Of everything we see,
And become a better person
With each discovery.

When God created teachers,
He gave us special guides
To show us ways in which to grow
So we can all decide
How to live and how to do
What's right instead of wrong,
To lead us so that we can lead
And learn how to be strong.

Why God created teachers,
In His wisdom and His grace,
Was to help us learn to make our world
A better, wiser place.

Turma da Mônica em inglês e espanhol



Aprender inglês e espanhol será ainda mais divertido com o recente lançamento dos gibis da Turma da Mônica nesses dois idiomas. As revistinhas têm 70 páginas, custam R$ 3,90 e são distribuídas nacionalmente.

MBA Tour - 24/10

The MBA Tour é uma feira que traz as melhores universidades internacionais de negócios para encontrarem-se com profissionais que buscam informações sobre cursos internacionais de MBA. O evento busca proporcionar uma interação pessoal entre futuros estudantes de MBA, representantes dos departamentos de admissão das escolas, ex-alunos e interessados em educação. Os participantes poderão assistir às palestras e frequentar debates com algumas das mais importantes escolas internacionais.

Serviço:
24 de outubro de 2009, sábado
Horário: 12h às 17h
Local: Hotel Hilton Morumbi
Av. das Nações Unidas, 12901 - Brooklin Novo
Até a véspera do evento, as incrições são gratuitas pelo site www.thembatour.com. Para inscrições na entrada do evento, o valor é de R$ 10, pagos em dinheiro apenas.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Como arrumar tempo para o Inglês (ou Espanhol, Francês, Italiano...)

Ótimo artigo enviado pela professora Carolina Saotome, extraído do livro “Como melhorar ainda mais o seu inglês”, de Michael Jacobs – Editora Campus/Elsevier, 2003 e publicado no portal teclasap.

COMO ARRUMAR TEMPO PARA ESTUDAR INGLÊS

A hundred and sixty-eight hours (168 horas)
Pois é: 168 horas. Até parece nome de filme. Pois é tudo de que dispomos na nossa semana. Pelo menos eu tenho essa quantidade de horas na minha. E você? É só multiplicar os sete dias da semana pelas 24 horas de cada dia e você verá que não estou tão ruim assim de matemática.
Viu? Checou? É isso aí? Claro que é, ou você acha que eu me arriscaria a fazer esses cálculos todos – tão difíceis! – se já não soubesse do resultado?
E por que estou mexendo assim com os meus neurônios (e com os seus também)? Bem, acontece que alguns dos meus alunos não andam fazendo suas lições de casa ou, ainda, estão sentindo que o seu inglês (o deles) não progride tanto quanto gostariam que progredisse. Normalmente, as duas coisas juntas. E muitas vezes qual é a desculpa? A famosa falta de tempo. Claro. Ultimamente, ando fazendo um exercício em sala de aula, e também nas palestras que dou, em que mostro ao vivo e em cores o que acontece numa semana de sete dias.
Começo perguntando quanto tempo eles gastam em média fazendo as seguintes coisas (os alunos é que me fornecem os números; lembre-se de que são horas por semana, e que esta é uma amostragem-padrão, afinal, o número de horas gasto varia de aluno para aluno):

Horas semanais – Atividades típicas
49h – Dormir
14h – Comer (incluindo preparar a comida, lavas as louças etc.)
21h – Estar com a família
4h – Ir à igreja ou rezar
3h – Ler por prazer (pouco, é lastimável!)
10h – Visitar e receber a visita de amigos
12h – Commuting (commuting é a palavra que usamos para descrever a locomoção para o trabalho, ida e volta. Chique, né?)
8h – Fazer compras
7h – Ir aos shoppings (fazer compras não é necessariamente a mesma coisa de ir ao shopping).
____________________________
128h – Subtotal

Claro que há milhares de outras atividades, que variam de pessoa a pessoa. Os resultados acima são apenas uma amostra do que eu colhi em sala de aula e não incluem:
• Assistir à televisão em geral
• Assistir a novelas
• Acessar a internet
• Ir ao banco
• Praticar esportes
• Etc. (adoro usar “etc.”, assim não preciso pensar)

De qualquer maneira, as atividades que listei como típicas já somam 128 horas. Subtraindo-se das 168 horas originais, temos… temos… 40 horas. Estas horas restantes são seu tempo livre. Aquilo que sobra para você estudar inglês. Mas, espere aí! Não incluímos ainda o tempo que você trabalha de fato, ou que estuda, caso ainda seja estudante.
Para a maioria dos mortais, trabalhar ou estudar pode significar… 40 horas semanais, ou até muito mais, é claro. Então parece que chegamos às 168 horas… então, como é que fica? Bem, nas palavras sábias de seu professor de inglês: it’s up to you, my friend!
A mensagem simples contida nestas palavras é esta: cada um faz o que acha melhor com o seu tempo (em vez de tempo, pode-se ler “vida”; é basicamente a mesma coisa).
Aí então entra a máxima make time. Como as leis da física não facilitam a tarefa de criar mais tempo, torna-se necessário rearranjar as prioridades. Mas, claro: só se você quiser aprender inglês. Se não quiser, pode continuar fazendo as mesmas coisas de sempre. Ficará contente, e com certeza será mais fácil. Só não ajudará no seu aprendizado de inglês.
O nome do jogo é sacrifício. O que você vai sacrificar para progredir no inglês? É uma pergunta para o aluno que vem com a desculpa de que não teve tempo para a sua lição de casa (e lembre que é sua lição, não a minha; não é do professor, é sua).

Making time significa mudar as prioridades, e é o que sempre replico quando ouço a mesmíssima desculpa. Não, não é que você não teve tempo, você não teve prioridades.
Aliás, na verdade, teve. Mas não foi para o inglês.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Time to read

Many students (and even teachers) say they don't have time to read. Well, I don't agree with that because I believe that, when you really like and want to read, you find some time. You can read a few minutes before you sleep, during your lunch time, when you're waiting for the bus, while you're on the bus/subway, on Sunday afternoon instead of watching TV (there's nothing to watch on Sundays), on a rainy holiday like today, when you're waiting for the doctor/dentist, and in many other places. Just take a book with you every time and you'll find plenty of time to read.

To prove you that, these are some of the books I've read this year, not considering the technical ones for the ICELT.

1 - Eat, pray, love - Elizabeth Gilbert
2 - De Bagdá, com muito amor - Jay Kopelman and Melinda Roth
3 - Equador - Miguel Sousa Tavares
4 - O Monte Cinco - Paulo Coelho (yeah, sometimes I read him, but this one is boring...)
5 - Blog Corporativo - Fábio Cypriano
6 - Todos os nomes - José Saramago
7 - Amar pode dar certo - Roberto Shinyashiki and Eliana Bitencourt
8 - Empreendedorismo na veia - Rogério Cher ('business phase')
9 - Inovadores em ação - William Taylor and Polly Labarre
10 - Você está louco! - Ricardo Semler
11 - Fora de mim - Richard Bach
12 - Aventura em Bagdá - Agatha Christie ('just-to-relax phase')
13 - Entrega especial - Danielle Steel
14 - Comunicação global - Lair Ribeiro ('self-help phase')
15 - Prosperidade - Lair Ribeiro
16 - A casa do poeta trágico - Carlos Heitor Cony
17 - O que os clientes amam - Harry Beckwith
18 - Sinners - Jackie Collins ('pocket-books phase')
19 - Morning, noon and night -Sidney Sheldon
20 - Quem mexeu no meu queijo? - Spencer Johnson
21 - Lidere-se. Conhecendo a si mesmo para liderar - Hamilton Ibanes
22 - As boas mulheres da China - Xinram
23 - Dois irmãos - Miltom Hatoum
24 - Hábitos de Consumo - Neale Martin
25 - Manual da Paixão Solitária - Moacir Sclyar

Pagode versions

This is just to have some fun. A Brazilian guy who lives in Buenos Aires translated, literally, some old 'pagode' songs into English, in acoustic versions. "Marrom bombom" became "Brown Goodgood", "Cheia de manias" is "Full of habits" and "Que se chama amor" is now "That's called love".
Check them out.
http://www.youtube.com/user/pagodeversions

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

30!


I'm turning 30 today - last year I tell my age ;-) - and decided to write about some things I've done this year, because I have the impression that it has been a very busy year. I guess I need vacation...
Here you go: (teachers, you can use this to teach Present Perfect)

This year, for the first time,
- I've taught Portuguese for Brazilians (oficina de reciclagem)
- I've taught Portuguese for a foreigner (only two classes, but I did)
- I've taught English by phone (only two classes again, but a different experience)
- I've taught Spanish for a Basic group
- I've done my first 'official' work as a translator (some pages of tour guides from Rio and Turkey)
- I've given three volunteer workshops at a social program in Lapa
- I've created (and kept!) this professional blog
- I've interviewed ELT professionals for this blog (have you read all the interviews?)
- I've taken the ICELT course (almost in the end, finally!)
- I've done rapel (cool!)
- I've driven a kart (not very cool, well, maybe because I was the last one)
- I've played paintball (painfull, but cool!)
- I've been to Flip, in Parati (interesting!)
- I've suffered (and survived!) a bus accident

Besides, although not for the first time,
- I've changed jobs
- I've returned to Italian classes
- I've taught kids again
- I've taught many in-company classes
- I've written some stories for the newspaper Diário de S.Paulo
- I've written many stories for Revista do Jornaleiro (have you seen the post about the 100th edition?)
- I've written a story for Revista Young, to be published soon
- I've revised magazines about handcraft and cooking
- I've participated in some races (well, at least I pretend I run...)
And I do have time to read (a lot - wait for next post), meet my friends, go out, watch movies... so, dear students, don't tell me you don't have time to do your homework.

We still have three months to the end of the year... Wanna try something different? Call me up!

Mensagem bonitinha que recebi de aniversário

Mensagem enviada por uma amiga do curso de Espanhol, que achei interessante compartilhar.

A grande arte da vida é acordar depois de um sonho,
levantar depois de um tombo,
sorrir depois de uma decepção
e nunca se desanimar!!
É olhar pra frente
com a esperança da vitória!!"

Tenha felicidade bastante
para que possa suportar os momentos tristes,
dificuldades para que venças
e te fortaleça a cada luta,
sonhos para que busque a cada dia um novo objetivo,
Um amor INFINITO que te aqueça a alma,
Uma FÉ inabalável e esperança sempre,
para que não te faltes o desejo de
viver cada dia melhor, todos os dias.
O que a vida quer da gente é
simplesmente coragem!"

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Você sabe o que é Andragogia?

Artigo enviado por Maristela Oliveira, coordenadora pedagógica da Companhia de Idiomas.

Você sabe o que é Andragogia?

O COMEÇO
O modelo pedagógico tradicional chegou até o século presente e é a base da organização do nosso atual sistema educacional. Esse modelo confere ao professor responsabilidade total para tomar todas as decisões a respeito do que vai ser aprendido, como será aprendido, quando será aprendido e se foi aprendido. É um modelo centrado no professor, deixando ao aprendiz somente o papel submisso de seguir as instruções do professor. E esse modelo também costuma ser aplicado ao aprendiz adulto.

Apenas em 1950 alguns educadores começaram a organizar ideias em torno da noção de que adultos aprendem de maneira diferenciada. Também aprendem melhor e com maior eficácia em ambientes informais, confortáveis, flexíveis e não ameaçadores.

Linderman, E.C, em 1926, pesquisando as melhores formas de educar adultos para a American Association for Adult Education percebeu algumas impropriedades nos métodos utilizados e lançou as bases para o aprendizado centrado no estudante, e do aprendizado tipo 'aprender fazendo'. Infelizmente sua percepção ficou esquecida durante muito tempo.

A partir de 1970 , Malcom Knowles trouxe à tona as ideias plantadas por Linderman. Publicou várias obras, entre elas The Adult Learner - A Neglected Species (1973), introduzindo e definindo o termo Andragogia - A Arte e Ciência de Orientar Adultos a Aprender. Daí em diante, muitos educadores passaram a se dedicar ao tema, surgindo ampla literatura sobre o assunto.

APRENDIZAGEM NO ADULTO

Kelvin Miller afirma que estudantes adultos retêm apenas 10% do que ouvem, após 72 horas. Entretanto, serão capazes de lembrar de 85% do que ouvem, vêem e fazem, após o mesmo prazo. Ele observou ainda que as informações mais lembradas são aquelas recebidas nos primeiros 15 minutos de uma aula ou palestra.

Para melhorar estes números, faz-se necessário conhecer as peculiaridades da aprendizagem no adulto e adaptar ou criar métodos didáticos para serem usados nesta população específica.
Segundo Knowles, à medida que as pessoas amadurecem, sofrem transformações:

Passam de pessoas dependentes para indivíduos independentes, autodirecionados.
Acumulam experiências de vida que vão ser fundamento e substrato de seu aprendizado futuro.
Seus interesses pelo aprendizado se direcionam para o desenvolvimento das habilidades que utilizam no seu papel social, na sua profissão.
Passam a esperar uma imediata aplicação prática do que aprendem, reduzindo seu interesse por conhecimentos a serem úteis num futuro distante.
Preferem aprender para resolver problemas e desafios, mais que aprender simplesmente um assunto.
Passam a apresentar motivações internas (como desejar uma promoção, sentir-se realizado por ser capaz de uma ação recém-aprendida, etc), mais intensas que motivações externas como notas em provas, por exemplo.

ORIENTANDO ADULTOS A APRENDER

Adultos sentem a necessidade de serem vistos como independentes e se ressentem quando obrigados a acatar o desejo ou as ordens de outros. Por outro lado, devido a toda uma cultura de ensino onde o professor é o centro do processo de ensino-aprendizagem, muitos ainda precisam de um professor para lhes dizer o que fazer. Alguns adultos preferem participar do planejamento e execução das atividades educacionais. O professor precisa se valer destas tendências para conseguir mais participação e envolvimento dos estudantes. Isto pode ser conseguido através de uma avaliação das necessidades do grupo, cujos resultados serão enfaticamente utilizados no planejamento das atividades. A independência e a responsabilidade serão estimulados pelo uso das simulações, apresentações de casos, aprendizagem baseada em problemas, bem como nos processos de avaliação de grupo e autoavaliação.

Os adultos têm experiências de vida mais numerosas e mais diversificadas que as da criança. Esta fonte poderá ser explorada através de métodos que exijam o uso das experiências dos participantes, como discussões de grupo, exercícios de simulação, aprendizagem baseada em problemas e discussões de casos. Estas atividades permitem o compartilhamento dos conhecimentos já existentes para alguns, além de reforçar a autoestima do grupo.

Os adultos vivem a realidade do dia a dia. Portanto, estão sempre propensos a aprender algo que contribua para suas atividades profissionais ou para resolver problemas reais. Os métodos de discussão de grupo, aprendizagem baseada em problemas ou em casos reais novamente terão utilidade, sendo esta mais uma justificativa para sua eficiente utilização. Muitas vezes será necessária uma avaliação prévia sobre as necessidades do grupo para que os problemas ou casos propostos estejam bem sintonizados com o grupo.

Adultos se sentem motivados a aprender quando entendem as vantagens e benefícios de um aprendizado, bem como as consequências negativas de seu desconhecimento. Métodos que permitam ao aluno perceber suas próprias deficiências, ou a diferença entre o status atual de seu conhecimento e o ponto ideal de conhecimento ou habilidade exigida, sem dúvida serão úteis para produzir esta motivação. Aqui cabem as técnicas de revisão a dois, revisão pessoal, autoavaliação e detalhamento do assunto. O próprio professor também poderá explicitar a necessidade da aquisição daquele conhecimento.

Estímulos externos são classicamente utilizados para motivar o aprendizado, como notas nos exames, premiações, perspectivas de promoções ou melhores empregos. Entretanto as motivações mais fortes nos adultos são internas, relacionadas com a satisfação pelo trabalho realizado, melhora da qualidade de vida, elevação da autoestima. Um programa educacional, portanto, terá maiores chances de bons resultados se estiver voltado para estas motivações pessoais e for capaz de realmente atender aos anseios íntimos dos estudantes.

Comparando o aprendizado de crianças e de adultos

Características da Pedagogia
Relação Professor/Aluno: professor é o centro das ações, decide o que ensinar, como ensinar e avalia a aprendizagem.
Razões da Aprendizagem: alunos devem aprender o que a sociedade espera que saibam seguindo um currículo padronizado.
Experiência do Aluno: o ensino é padronizado e a experiência do aluno tem pouco valor.
Orientação da Aprendizagem: aprendizagem por assunto ou matéria.

Características da Andragogia
Relação Professor/Aluno: a aprendizagem adquire uma característica mais centrada no aluno, na independência e na autogestão da aprendizagem.
Razões da Aprendizagem: pessoas aprendem o que realmente precisam saber (aprendizagem para a aplicação prática na vida diária).
Experiência do Aluno: a experiência é rica fonte de aprendizagem, através da discussão e da solução de problemas em grupo.
Orientação da Aprendizagem: aprendizagem baseada em problemas, exigindo ampla gama de conhecimentos para se chegar à solução

Enfim, o professor precisa se transformar num tutor eficiente de atividades de grupos, devendo demonstrar a importância prática do assunto a ser estudado, deve transmitir o entusiasmo pelo aprendizado, a sensação de que aquele conhecimento fará diferença na vida dos alunos; ele deve transmitir força e esperança, a sensação de que aquela atividade está mudando a vida de todos e não simplesmente preenchendo tempo de aula.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Entre os muros da outra escola

Recebi este artigo, publicado na revista Época, por email de uma colega de curso e, como ela mesma disse, o tema interessa não apenas a pais, mas a todos nós, sejamos educadores ou alunos.
Confira um trecho abaixo e o artigo completo.

Entre os muros da outra escola
Está na hora de enfrentar a violência também no ensino privado

...
Muito se escreve e se fala sobre a violência nas escolas públicas. E o tema é sério e relevante. Mas está na hora de prestarmos mais atenção no que ocorre na outra ponta da desigualdade social refletida no sistema de ensino brasileiro: as escolas privadas de elite. Diante da piora progressiva da qualidade da escola pública, a classe média vem esfolando o orçamento para matricular seus filhos em escolas privadas, com a convicção de que assim têm mais chance em um mundo competitivo.
Por que a classe média não brigou – e não briga – pela qualidade do ensino público em vez de se bandear para a educação privada? Eu mesma cursei o ensino médio em escola pública (uma péssima escola pública, diga-se), mas tomei o mesmo caminho de boa parte dos pais de classe média ao matricular minha filha: esfalfei-me durante 11 anos para pagar um dos colégios privados mais caros de Porto Alegre. Por que não fui brigar por qualidade de ensino dentro da escola pública? Por amor pela minha filha, sem dúvida, mas também por empatia de menos pelo destino dos filhos dos mais pobres, provavelmente. Na hora de escolher, optei por resolver o problema “dos meus”.
...
O péssimo desempenho do Estado na educação e a falta de cidadania de gente como eu permitiu que essa situação se perpetuasse até níveis inacreditáveis. O resultado estamos amargando faz tempo, mas não tenho dúvida de que será muito pior em sentidos que ainda não alcançamos por inteiro. As escolas talvez sejam as maiores reprodutoras de desigualdade. Não apenas na questão da qualidade, que determina destinos. Mas no convívio cotidiano, no (não) exercício da solidariedade e do respeito às diferenças. Seja nas públicas ou nas privadas, o que encontramos é uma convivência entre iguais. Nossos filhos não conhecem a diferença, não são beneficiados pela riqueza da diversidade. Não conjugam a tolerância. Quando confrontados com a diferença – e não apenas a socioeconômica –, expulsam-na.

Foi o que aconteceu com a menina desta história. Tempos atrás, ela ligou para a mãe no recreio, implorando para que fosse buscá-la. “Eu não suporto mais ficar aqui”, disse. Suava muito, desesperava-se. Sua mãe respondeu que ela precisava permanecer. E ela está resistindo como pode até o final do ano, para então trocar de escola.

Liguei para minha pequena amiga para saber o que estava acontecendo e propus uma entrevista. Em off, para que ela não fosse mais trucidada na escola do que já é. Ela topou. E aqui está a transcrição literal da nossa conversa, para que seu testemunho possa nos ajudar a pensarmos juntos num problema que é de todos.

Eu: O que aconteceu?
Ela: Eu não sou aceita. Meus colegas me acham meio estranha. Acho que me acham idiota.

Eu: Mas por quê?
Ela: Eu não gosto das conversas deles, me sinto mal. Acho que tenho um jeito diferente de pensar que eles acham bobo.

Eu: Mas que jeito é este?
Ela: Eles gostam de ficar ridicularizando os outros. Eu não quero fazer isso.

Eu: Mas quem eles ridicularizam?
Ela: Nossos colegas que têm dificuldade (portadores de necessidades especiais). Eles às vezes precisam fazer provas mais fáceis. Aí chamam eles de burros, de idiotas. Eu acho isso muito injusto. Queria poder fazer alguma coisa, mas eu não sei o que fazer. E os professores não fazem nada.

Eu: Quem mais eles ridicularizam?
Ela: Gente que não usa roupa de marca, que não gosta do que eles gostam.

Eu: E do que eles gostam?
Ela: De funk, por exemplo. Adoram funk. Eu não gosto de funk, daquelas letras. É muito sem conteúdo. Mas gosto da Hannah Montana e da Rihanna. Eles também gostam daqueles programas de TV que ridicularizam as pessoas. Acham que isso é engraçado. E ficam falando das marcas das roupas que usam. Ah, essa calça é da marca tal. Esses dias uma menina disse para a outra: “Ah, o seu pai é milionário”. Aí essa menina respondeu: “Mi não. Bi-lionário”. Pensei: “E você é bi-polar”. Pensei, mas não disse.

Eu: E o que começaram a fazer contigo?
Ela: Eles não falam comigo. Eu pergunto, não respondem. Sabe, teve uma festa, uma balada, mesmo, que convidaram todo mundo. Eu fui uma das poucas que não fui convidada. Aí só ficavam falando nesta festa. E eu não sei por que eu não fui convidada. Eu nunca fiz nada de ruim para nenhum deles. Não entendo por que não gostam de mim. Minha melhor amiga também começou a me ignorar. Eu chego, ela sai de perto. Ela começou a ficar popular na escola.

Eu: E o que é ser popular na escola?
Ela: É usar roupa de marca e sair pisando em todo mundo.

Eu: O que mais te faz sofrer?
Ela: Ficar sozinha no recreio. Eu queria brincar, conversar, mas não tenho com quem. Só eu e o menino com problema mental ficamos sozinhos no recreio. É muito ruim ficar sozinha no recreio. Eu fico muito triste.

Eu: E por que você não fica com o menino com problema mental?
Ela: Porque ele é menino. Eu não tenho muito o que conversar com menino. Mas eu queria poder fazer alguma coisa. Porque ele fica lá sozinho, desenhando. E eu sei como é ruim ficar sozinha no recreio.

Eu: Por que você acha que seus colegas são assim?
Ela: Eles são que nem os pais deles. Nessa coisa das marcas, do dinheiro. Mas quem cria meus colegas, mesmo, não são os pais. Eles nunca ficam com eles. Eles estão trabalhando ou em jantares. Meus colegas são criados pelas babás. Elas são as mães de verdade deles.

Eu: E como eles tratam os professores?
Ela: Essa minha ex-amiga chama a coordenadora de “idiota” e de “imbecil” na frente dela. Não é pelas costas, é na frente. Ela acha que o pai vai pagar para ela passar de ano. Numa excursão, teve um colega que disse para o monitor: “Essa sua profissão é uma m...”. Eles são assim. Acham que vão herdar o dinheiro dos pais. Mas eu tenho impressão que vão gastar todo o dinheiro bem rápido. E aí não sei como vão fazer para trabalhar.

Eu: Você chora muito?
Ela: Antes eu chorava. Teve um dia que pedi para minha mãe me tirar de lá. Liguei para minha mãe no recreio. Não sei por que eu fiquei assim tão mal. Eu suava. Sabe, fiquei desesperada. Mas agora aprendi a lidar com isso. Estou administrando melhor a situação. Levo um livro para o recreio. Agora estou lendo “Coraline e o mundo secreto”. Você viu o filme? Foi baseado no livro.

Eu: E quando você decidiu mudar de escola?
Ela: Quando fui sentar ao lado de um menino e ele disse: “Desinfeta daí”. Eu fiquei sentada onde eu estava. Mas sei que ele não diria isso para outra menina. Acho que falou para mim porque eu não fui convidada para aquela festa. Eu estava aguentando, mas aí foi a gota d’água.

Eu: Você acha que no novo colégio vai ser diferente?
Ela: É uma escola maior. Tem mais gente. Então, deve ter alguém mais parecido comigo, né?
...